Amor, sublime amor

Um amor perdura intacto por toda vida? Como manter dentro do âmago a memória do sentimento? O filme Diário de Uma Paixão adota a estratégia de exemplificar, com um roteiro deliciosamente efervescente em sentimentalidade baseado no best-seller de Nicholas Sparks, as vicissitudes dos prazeres e dissabores do relacionamento de amor e sexo. Este trabalho cinematográfico foca, com verve narrativa romântica, em questões sobre desejos juvenis, preconceito contra condição social, dificuldades entre a virgindade e pauta, com verdade emocional, as crises/doenças da meia-idade. Com o artifício de ir e voltar no tempo, o longa foca na história de amor que perdura por toda uma vida, sobrevive a diferentes provações incondicionais. No plano dos anos 40: Allie Hamilton (Rachel McAdams) conhece e se apaixona por Noah Calhoun (Ryan Gosling) - só que ela é de família rica, age de maneira fútil e é mimada; ele, um rústico pobretão, determinado humilde. No embalo da juventude, ambos tentam irremediavelmente ficarem juntos. Eles são típicos amantes predestinados, amam com volúpia, imersos na passionalidade comportamental e são condicionados ao ardente apetite sexual - ainda que tenham constantes brigas, envolvem-se na febre teia de amor e ódio e incontestavelmente desmedem o contrato de amor deliciosamente sexualizado. Na atualidade, observa-se um senhor (James Garner) que lê um diário de anotações para uma amiga (Gena Rowlands), no qual está escrita a história de Allie e Noah. Ela sofre do mal de Alzheimer e, em função disso, a história lhe parece sempre nova.

E aí consiste uma das preciosidades que o roteiro há de revelar ao público. É interessante a abordagem da enfermidade degenerativa do cérebro caracterizada por uma perda das faculdades cognitivas superiores - esta doença é comum nos idosos e em estágio avançado, a pessoa esquece até da existência. Para estimular a memória, deve ser colocado ao redor coisas pessoais ou relembrar fatos antigos da existência para que a pessoa tenha um conforto. E isto que ocorre no filme: através do caderno lido, diariamente, a senhora tem a chance de reviver sua juventude e atenuar a memória prejudicada pelo tempo.

O paralelo entre os idosos ao universo nostálgico de Allie e Noah é especial - e eles, jovens apaixonados, enfrentam dificuldades de ter o consentimento dos pais - sua mãe, Anne Hamilton (Joan Allen) é contra - visto que Noah é desfavorecido de melhores expectativas de vida financeira. Mas, contra à entidade preconceituosa familiar, Ellie não desiste de seu sentimento intenso - ainda que, durante breve período, renuncie seu relacionamento para se comprometer com outro rapaz, Lon Hammong Jr. (James Marsden). Feminina, mulher emotiva, ela é o símbolo do ser humano que tenta mascarar o desejo - obviamente, não consegue, pois jamais esquece Noah. Com ele, há um elo que ferve sexo e pulsa amor, produz sensibilidade. Por instinto, ambos se entregam às carícias, ternura e sexualidade. E Noah exala sua masculinidade rústica, exímio cavalheiro dotado de charme que é capaz de seduzir qualquer fêmea. O talento do duelo interpretativo de McAdams e Gosling determina um sincretismo romântico de desejo - o mais essencial no filme é como é tangível e real o a ebulição do sentimento dos dois, convincente e empolgante. A degustação e proximidade é de fácil digestão. O amor dos dois e a entrega mútua do casal são retratados sem os empecilhos da censura antepassada, através deles presencia-se a verdadeira relação de homem e mulher em um período repressivo sem seus devidos moralismos.

E a direção de Nick Cassavetes é cuidadosa, favorece com astúcia as interpretações. Há uma fotografia de Robert Fraisse que concebe uma plasticidade poética, eis o amor visualmente belo. E a trilha sonora de Aaron Zigman é tocante, delicada. Um singelo novo clássico que transparece a força do amor através dos anos e proporciona a reflexão a respeito do companheirismo, perseverança e fidelidade. Não poderia haver nada que os separasse.

42 opinaram | apimente também!:

Robson Saldanha disse...

Eu realmente gostei tanto quanto você desse filme. Acho ele bastante próprio. Trata do amor de uma maneira madura e imatura ao mesmo tempo sem que caia no contraditório. Belíssimo. Preciso rever!

Mirella Santos disse...

Você falando assim dá uma vontade de ver, um filme doce, mas quando vi (algumas partes só) não o achei tão interessante.

Acho mesmo muito bonito a concepção que vc tem dos filmes, os analisa mais profundamente que qualquer outra pessoa que já conheci, talvez seja por isso que me interessei em vê-lo por completo agora. Bjos

rayssa gon disse...

olha, bem, eu não terminei de ler o post pq ainda não assisti o filme. mas o q posso te dizer com certeza é que Ryan Gosling realmente é gato. serio.

Alyson Xyzyx disse...

Eu devo uma visita a Nick Cassevetes. Nem o seu filme que mais se aproxima do meu gosto aparentemente, que é o Alpha Dog eu vi. Mas, esse era o filme que mais queria ver, mas depois desse texto "Diário de uma paixão" passa a ser o filme que mais me instiga. Sério mesmo!

Abraços!

Clenio disse...

Um filme simples, mas extremamente passional, delicado e triiiiiiste...
A química entre Ryan Gosling e Rachel McAdamas é preciosa e algumas cenas são de figurar já entre os clássicos românticos.
Belíssimo filme.
Abração.
Clênio
www.lennysmind.blogspot.com
www.clenio-umfilmepordia.blogspot.com

Tânia regina Contreiras disse...

Ah, é uma belíssima históri de uma amor real, profundo, que nem o mal da doença do esquecimento consegue apagar. De início, não dei muita coisa pelo filme, mas à medida que vai se desenrolando a trama...nossa: que lição de amor profunda que todos precisariam aprender! Amei.

Beijos,
Tania

Heliomar Melo disse...

Ola,

Pelo que li parece interessante.
Boa dica. Valeu!

Valmir disse...

Você q pensa... To sempre por aqui. Tentarei ser mais participativo.. srrs abraço!!

Jairo Cerqueira disse...

Não assisti a esse filme, mas posso imaginar, pela sua síntese os conflitos nele existentes. 'Amar' às vezes é complicado; sobretudo quando não sabemos definir se amamos alguém, ou se amamos amar alguém.
Um abraço!

Talles azigon disse...

o filme é simplesmente um deslumbre, eu que sou fraco para esse tipo de historia chorei muito mesmo. muito boa a indicação

silvioafonso disse...

.


Acompanhado de uma bela mulher eu
assisto uma peça que se torna boa.
Um bom filme na companhia de uma
mulher à toa se torna comum e não
tem razão da minha presença.
Para escolher entre um bom passeio
e boas mulheres eu prefiro não
arriscar e ir só à casa de espetáculo
curtir o que me propus e ter razão
nos comentários que eu possa fazer.

silvioafonso





.

Ricardo Dib disse...

Achei esse filme fantástico!
E olhe que não sou muito chegado a filmes românticos.

Madame Lumière disse...

Bom dia Cris,
Espero que meu AMIGO lindo esteja bem!
Estou emocionada que revisou Diário de uma paixão, um dos meus filmes românticos preferidos a ponto de eu assistí-lo e asistí-lo inúmeras vezes e decorar os diálogos, rs!
Antes de ser uma história de amor, é uma história de pura tristeza. A questão da dificuldade de vivenciar o amor imposta pela entidade familiar até a enfermidade degenerativa de Allie e a esperança de Noah de tê-la ali, sempre, enquanto lê para ela.

Infelizmente, não vemos esse tipo de fidelidade no amor hoje em dia. É difícil um homem ficar ao lado de uma mulher doente(não generalizando, é claro), mas um amor leal e intenso é tão único que parece que só faz parte das telas de cinema.

Diário de uma paixão também tem uma sensualidade intensa de jovens apaixonados. A química de Gosling e McAdams é tão envolvente que é possível seduzir-se a partir deles. Dá vontade de entrar naquele tesão que eles têm e vivenciá-lo, mesmo porque o que acho interessante é que a paixão entre eles é bem sadomasoquista. Há um sofrer e deixar sofrer que é bem interessante no filme e esta implícito na relação. A paixão tem que ter dor, definitivamente e nós, aqui do outro lado, adoramos um melodrama romântico que luta para sobreviver, rs!

Beijo meu lindo. Saudades de você e, a propósito, estou anotando todos os seus pedidos hein. Farei todas as supresas ao meu apimentário MOR.

Fernando disse...

Mais uma boa indicação do Apimentário... será que os filmes que você sugerem são tão bons quanto seus textos? Bem, assisti 'Making Love' e posso validar que sim... mas um que quero ver... sabe se tem torrent?

Tertúlias... disse...

Eu acabei com uma caixa inteira de lencos... Gena e james estao fantásicos neste filme.

joyce domingos disse...

este é cm toda a certeza um dos filmes mais belos que eu já pude assistir.


linda e inspiradora história de amor....não posso me esquecer do riso da jovem Allie,da cara e bobo do Noah.....

♥♥♥♥♥♥♥ é o amor em sua forma mais forte e bela.....
a cena mais tocante para mim é quando a Allie,mais velha se lembra de quem é...e beija o Noah com um misto de saudade e paixão.....eu chorei litros e litros com essa cena....


a trilha sonora tbm é de matar....

♥♥♥♥♥ que lindo post cris,AMEI...

love is in the air.....^^


bjbjbj

Alan Raspante disse...

Esse filme é completamente encantador e tem uma linda história de amor. Eu já vi esse filme, mais tenho que revê-lo pois já faz um bom tempo ! rs
Bel crítica !
Abs.

Nekas disse...

Eu adorei o filme - a temática, a banda sonora e, especialmente, a química entre os dois protagonistas.
Como tu dizes, "amor, sublime amor",


Abraço
Cinema as my World

! Marcelo Cândido ! disse...

Quero ver...
Deve ser interessante por se passar no passado já que hoje filmes românticos dos tempos atuais são água sem sal, ou açúcar, enfim, sem sabor
!!!

Richard Mathenhauer disse...

Olá!
Não vi o filme, mas pelo seu comentário, estou motivado a vê-lo. Faz meu gosto.

Abraços,

cabaretcinefilo disse...

Encantador à moda antiga. Um excepcional romance, e Ryan Gosling está divino!

Fábio Zen e Débora disse...

Obrigado pelos elogios lá nos meus blogs Cristiano.O teu também é uma grata surpresa,pois gosto muito da temática cinema,como tu viste lá no Pimenta.Cara,não assisti ainda este filme,mas pela tua análise deve ser um ótimo drama.Vou assistir.

Bom,como disse antes ótimo encontrar blogueiros que tenham essência em suas criações então estou te seguindo também parceiro e acompanhando tuas postagens.Abrç aqui do frio do interior do RS,quase fronteira com a Argentina.

Fábio Zen
http://oficinamissoes.blogspot.com/

http://pimentazen.blogspot.com/

Talles azigon disse...

gente como teu blog é moderno.

muitíssimo obrigado meu amigo mando-te um convite para ler meu post no mundo leitor
http://mundo-leitor.blogspot.com/2010/05/para-drummond.html

Vanda Ferreira disse...

Cristiano, seu blog é lindo! Já assisti esse e alguns outros tantos filmes românticos como "ps. eu te amo" que sinceramente é PERFEITO!

Adorei o seu blog e virei sua seguidora! Gostaria de agradecer pelo comentário no meu blog e por ter virado meu seguidor!!!

Sucesso!


Vanda Ferreira: http://vanda-ferreira.blogspot.com/

Daniela Gomes disse...

Cris e o meu filme preferido. Excelente análise. Com falha em um único ponto, sobre a Allie ter renunciado ao relacionamento com Noah. Eles foram de certa forma separados pela mãe dela. Allie ignorava as tentativas de Noah, através de suas cartas.
Só chamo atenção para este detalhe, porque ele da todo um significado à cena, em chuva forte, na beira do lago. Uma cena maravilhosa.
Depois de "O Diário de uma Paixão" não deixei de acompanhar os trabalhos da Rachel McAdams e do Ryan Gosling e destaco que ambos possuem uma trajetória cinematográfica brilhante.

Bom, é isso. Me deu vontade de assistir pela milésima vez :)
Abraços.

thicarvalho disse...

Granbde filme Cristiano, um dos meus prediletos do gênero. Ótima adaptação da obra literária. Nick Casavetes manda mto bem neste filme, trabalhando com sua mãe, a atriz Gena Howlands. A história é verdadeiramente emocionante, e as atuações de Gosling e da bela Mc Adams estão sublimes. Grande obra e mais uma vez parabéns pelo texto.

Visitem

www.cinemaniac2008.blogspot.com

Gabriel Pozzi disse...

Opa amigo!
Fiquei feliz que vc gostou tanto da música do Thirteen Senses, aparentemente, foi o que mais curtiu dentre os comentários! :D
Seja bem vindo ao meu blog, volte lá sempre, mas só por curiosidade, como o encontrou?

Ah, quanto a esse filme, um de meus favoritos, sem dúvida.
Há algumas tradições na minha família, e uma delas é escolher uma noite de sábado por semestre para sentar no chão e re-assistir O Diário De Uma Paixão. Acho fantástico, fantástico. Eses dias levei o filme para assistir com minha namorada, ela chorou à beça!

Um abraço, e espero que volte sempre no meu blog, pois eu voltarei aqui! :)

http://songsweetsong.blogspot.com/

♫ FáZinho ♫ disse...

salve brother.
to te seguindo ae...

a respeito de um postagem sua q eu disse q iria ver o filme, eu baixei, mas o audio do filme veio zuadao AEUHAEUAE, vo ver se acho em outro lugar.


forte abraço

Rita Contreiras disse...

Quantos temas envolvidos nesse enredo, não? A questão da memória me fascina e a eterna briga de todos os tempos com o que foge às expectativas , sempre tão restritas, que cada um estabelece...Bjs

PC disse...

Pode ser que seja piegas, mas também é absorvente, doce e com excelentes performances. Cassavetes constrói com domínio e fé um retrato intimo e emocionante que contorna o lugar comum lacrimogêneo. O resultado é bonito, bom, barato e confirma que um drama romântico não faz dano a ninguém.

Juliana Barbosa disse...

Cristiano torna os filmes um delicioso prato a ser degustado! Sempre poético, coerente, envolve o leitor, até a ultima linha!

Karina Guimarães disse...

Adoro este filme,para os românticos de plantão como eu, não tem como não adorar!
Os livros do Nicholas Sparks sempre me agradam, grande autor de belas histórias de amor.

Bjos!
Está de parabéns pelo blog.
E obrigada pelo comentário lá no País das Maravilhas.

NeurotcoGay disse...

adorei é lindo esse filme TBM AMO PS EU TE AMO

Guará Matos disse...

Obrigado pela visita gentil e agradável.
Estarei lhe seguindo també, ok?
Irei ler com cuidado seu espaço, que me parece acochegante.
Abraços.
_______
Conheço aqui no Rio um senhor, baiano, jornalista, escritor, assessor político, enfim, uma fera!
O sobrenome dele é Contreiras, me parece que pode haver parentesco entre vocês.

Leco Vilela disse...

Olá Cristiano,

Obrigado pelo comentário! E parabens pela iniciativa desse blog.

abraços.

franck disse...

Seus comentários são muitos bons, eu que sou um apreciador da 7 arte...
Abçs!
PS: Vc vai "linkar" meu blog qdo? (rsrsrs)...

Alexandra Deitos disse...

Obrigada pelo comentário.

Ainda não assisti este filme, mas sua dica parece ser bem elaborada fazendo eu colocar na lista de próximos filmes.

Abraços.

Catarina Norte disse...

Filme muito bom! A química entre os 2 protagonistas é imensa e isso sente-se a cada cena! O que achei mais interessante foi a ligação entre as 2 épocas com a leitura das memórias...de uma dedicação e amor inquantificáveis que desperta com toda a certeza o romântico que existe em nós!

Abraço

Marcelo Pereira disse...

Bom para entreter, mas não passa desse objectivo. Ainda assim, um tanto ou quanto subvalorizado entre a massa crítica de cinéfilos.

Abraço

LuEs disse...

The Notebook, na minha opinião, é um dos melhores filmes de romance. É acredito que ele seja tão bom exatamente porque não se limita ao romance clichê, cheio de questionamentos fúteis. The Notebook é um dos poucos romances que me tocam, vejo nele uma beleza lírica, que transcede o próprio conceito do romantismo.
Acredito que todos que leram Wuthering Heights conseguem traçar um paralelo com a obra literária: tanto uma quanto a outra parecem ter o mesmo mote - uma paixão intensa enquanto jovens, um empecilho que os separa e, mais tarde, algum tipo de união. E talvez seja por isso que eu achei The Notebook uma obra tão completa.

Gostei muito do que você escreveu, achei que não há um adjetivo elogioso fora de lugar. Quem ainda não conferiu, decerto quererá conferir após ler o seu texto, que, além de fazer jus ao filme, está muito bem escrito.
;D

Fernando Prates disse...

Cara, brigadão pelo comentário!
Eu to numa correria louca essa semana; to há tempos para visitar seu blog e ler seus textos - só li o do Grease até agora, inclusive peculiar tua linguagem, tenho que ler mais para entender melhor seu estilo. Achei muito legal a proposta do teu blog. Seguirei!
Um abraço!

Edson Cacimiro disse...

Filme realmente belíssimo, com um final emocionante, história cheia de surpresas, paisagens lindas, vale muito a pena ver e rever.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Aperitivos deliciosos

CinePipocaCult Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos Le Matinée! Cinéfila por Natureza Tudo [é] Crítica Crítica Mecânica La Dolce Vita Cults e Antigos Cine Repórter Hollywoodiano Cinebulição Um Ano em 365 Filmes Confraria de Cinema Poses e Neuroses