Prazeres pelos sentimentos

A trajetória íntima, sentimental e perceptiva de uma jovem em busca de uma realização vital, em meio a sua febril imaginação que cria sua própria expressão de mundo. O Fabuloso Destino de Amélie Poulain é uma grande e apaixonante história de amor. É um retrato íntimo saboroso, fábula humana. Amélie (Audrey Tautou), inocente e sonhadora, uma garçonete do café Deux Moulins, no bairro de Montmartre, que aprendeu a amadurecer em meio à infância incomum. Tem prazer em ajudar os outros; ao atirar pedras no rio Sena ou mesmo ao observar a vida alheia. Um dia, ela encontra uma caixa escondida dentro do banheiro de sua casa. É então que a vida dessa moça peculiar ganha um embalo. Quem será o dono dos pertences da caixa antiga? Decidida a conhecer o dono, Amélie percorre uma busca que garante um sentido existencial à sua vida. Inevitavelmente, ela passa a tentar "melhorar" a vida das pessoas ao seu redor — inventa, então, toda uma série de estratagemas para intervir incognitamente na existência de várias pessoas à sua volta. É possível promover a felicidade alheia? Contudo, sente dentro de si a ausência de um grande amor. Em sua missão de conceber o bem aos outros, conhece Nino Quincampoix (Mathieu Kassovitz). Um rapaz tão peculiar como ela, trabalhador de um sex shop, que nas horas vagas tem o estranho hábito de colecionar fotos descartadas das cabines automáticas do metrô. Trabalho sensível, esta produção cinematográfica celebra o romantismo e inocência de uma personagem instigante. Um filme que discute os sensos de bondade, solidão, sentimento e anseios carnais. O universo saboroso e surreal do íntimo de Amélie é bem delineado pelo roteiro ágil que capta todos os tons dos desejos femininos da protagonista; numa linha narrativa que vai do humor irônico ao drama-romanceado.

A direção visionária de Jean-Pierre Jeunet é minimalista, converte a aparente trama banal a uma esfera interpretativa (e visual) bastante sedutora, mágica, criativa. A representação da feminilidade de Amélie é o aspecto da mulher frágil, sonhadora e que almeja uma vida mais prazerosa. Antes de conhecer seu objeto de amor e desejo, ela não conseguia sustentar seus casos amorosos. Nem mesmo sente um orgasmo nas poucas transas que manteve. Pelo contrário, age instintiva e sente pela própria ebulição de sua imaginação desenfreada. Para ter contato com um mundo que não interage, imagina-se num mundo que participa. Imagina vidas alheias, sexo (e orgasmo) alheios, sua imaginação é uma espécie de refúgio ou prazer próprio solitário? É assim que sua vida tem mais sabor.

A narrativa do filme preocupa-se em percorrer a veia imaginativa dessa personagem que divide seu cotidiano em busca de amor súbito, do desejo pelo homem desconhecido que pouco convive e flerta, mas sente a necessidade de se entregar a ele. Como amar alguém sem mesmo conhecer? É possível um sentimento brotar sem ser correspondido? Amélie nutre um amor platônico, um sentimento especial, direcionado ao rapaz Nino. Interessante que a garota devota sua vida em gestos de bondade, resolve problemas alheios, mas nunca decide seu próprio destino. Como acreditar no amor ou no desejo que sente? Ela reluta, teme, foge do encontro com o homem de sua vida.

E o caloroso roteiro investe, faz um recorte de vários personagens que se cruzam com o destino de Amélie. Eis o contraste, ela ajuda todos ao seu redor, mas não consegue se amparar, pois não se declara pro objeto de desejo — ajuda até sexualmente a amiga de trabalho, mas não resolve suas pendências amorosas. O filme funciona como um pequeno representante humanístico. Numa espécie de mosaico, há pequenas subtramas. Há indisposições familiares; maus-tratos contra deficientes; homens ciumentos e possessivos; mulheres sentimentais; solidão na velhice. A ágil narrativa faz com que a frágil Amélie flerte deliciosamente com todos esses personagens que conceituam a teia relacional; de diferentes comportamentos e vivências. Contudo, o esqueleto orgânico do filme se sustenta nos diálogos, na visão particular e no anseio apaixonado dela em sua organização de mundo. A sua introspecção jamais é uma barreira, já que o narrador onisciente a desnuda. Tão humana, a proximidade dos desejos dela é o mesmo de tantas mulheres. Quem nunca quis amar perdidamente? Quem já não sentiu um desejo platônico? A esperança dela está no sonhar.

O mundo delicado, feminino e romântico de Amélie é expresso na maneira como Jean-Pierre Jeunet delineia as cores, o mundo de cores quentes e frias ao redor da construção perceptiva da garota. Os tons avermelhados, amarelados e verdes revestem esse mundo sedutor — e dotado de grande sensibilidade — dela. Belíssima fotografia de Bruno Delbonnel que capta uma atmosfera sensível, passional, da protagonista. A inspirada partitura de Yann Tiersen tornou-se aclamada que é difícil não associá-la ao filme. Ainda que sobrecarregada de uma plasticidade moderna e dinâmica, o diretor Jeunet conduz o filme com a objetiva centrada na personalidade e percepção de Amélie. É o cuidado ao dirigir cenas que são ingredientes perfeitos para a emoção, pois transita com fatos e sensações bastante tangíveis. A direção de arte e cenografia também respira a essência da paixão de Amélie, pois utilizam de elementos visuais que simbolizam o espírito emocional da personagem — cores vermelhas são acentuadas no quarto e banheiro; dão luz própria ao mundo privado feminino da típica mulher sonhadora. Audrey Tatou personifica a delicadeza, carisma e o caráter de bondade que Amélie transparece, num misto de talento e dedicação. A cena que ela faz um pequeno tour com um cego-de-rua, verbalizando tudo que ele nunca verá, é um momento marcante. Decerto, dificilmente a atriz irá interpretar outro papel tão imortal. Eis um filme primoroso, exercício cinematográfico que jamais envelhece. Único, saboroso.

Le Fabuleux destin d'Amélie Poulain (França, 2001)
Direção de Jean-Pierre Jeunet
Roteiro de Guillaume Laurant
Com Audrey Tautou, Mathieu Kassovitz, Serge Merlin, Isabelle Nanty

60 opinaram | apimente também!:

Mayara Bastos disse...

Amei o texto, que expressou perfeitamente a intenção do filme. Delicioso e sentimental.

Beijos! ;)

Rita disse...

amei a dica. fiquei ansiosissima p ver esse filme!
bjocas

Nilson Jr. disse...

"Eis um filme primoroso, exercício cinematográfico que jamais envelhece. Único, saboroso."
Falou tudo. Filme gostoso de assistir.

Franck disse...

Esse é um dos meus filmes preferidos! Já o vi inúmeras vezes, uma fábula linda e moderna!
Abç*

renatocinema disse...

Essa produção está entre as mais sensíveis que ja assisti. Existe amor maior que o platônico???

Audrey Tautou fez um grande trabalho. Entre as produções que ela atuou gosto muito de "Bem Me Quer, Mal Me Quer" um filme praticamente ignorado no mercado brasileiro e que possui uma riqueza absurda: tanto de roteiro quanto de poesia e questionamentos sobre a veracidade do amor.

Lana disse...

Esse é de fato um belíssimo filme! Sensível e inspirador, entra na lista dos que considero " Filme de Cabeceira"!Irresístivel, vc pode vê-lo diversas vezes e sempre se emocionar!

Robson Saldanha disse...

Texto brilhante e que atinge a essência do que Amelie Poulain. Parabéns, Cristiano!

Sou apaixonado por esse longa!

Juliana Barbosa disse...

Amélie faz da vida um delicioso espelho! Adorei o filme, a apimentada... Boa escolha, bom texto!

Bruno disse...

amooooooooooo esse filme
e você não deixou a desejar nem um pouco nessa sua crítica!!!!

bjo

Dan disse...

eu adoro o filme. a historia, as cores, a trilha, a direção.. a Audrey...
tudo tá perfeito. Até o anãozinho que dá a volta ao mundo. eheheh
pra ver e rever muitas vezes!

Kivia Nascentes disse...

Eu simplismente muito suspeita para falar de Amélie Poulain. Tenho uma paixão imensa pelo filme. No dia em que assiti pela primeira vez, vi pela madrugada, e assim que ele terminou eu coloquei para rodar novamente.
É o meu filme favorito, e é dificil escolher um filme favorito com tantos bons, mas esse sem dúvida supera todas as minhas expectativas. Simplismente fabuloso!

Kamila disse...

Este filme não consegue me encantar. Simples assim!

Ricardo Morgan disse...

Seu comentário esá perfeito! É um dos melhores filmes que já vi com certeza! Uma poesia sobre a vida alheia por meio dos olhos de uma sonhadora que admira a felicidade do mundo em sua volta, seja com pitadas de bom humor ou nas emoções de pequenas histórias ao seu redor. Simplesmente sensacional!

Wenndell Amaral disse...

Pô, maravilha. Mais uma texto sobre um belo filme.

Acredito existir diversos tipos de filmes, diversos estilos, cada um com seu momento e finalidade, cada um com sua qualidade.

Amélie Poulain é um daqueles simples, delicados, sem grandes alardes, mas que arrebatam, que fixam na memória. Muito bom.

Luiz Santiago disse...

Quando estamos em férias e viajando, não há nada melhor que depararmos com um bom texto sobre um bom filme, para ler naquela noite internauta que sempre nos atacam nesses momentos de descanso. E cá está teu texto... Primeiro: excelente a escolha do filme. E depois, você conseguiu transmitir com precisão essa aura dele. Parabéns.

HSLO disse...

Esse filme é ótimo. Gostei muito do seu texto.

abraços

Eri Jr. disse...

Fazia muito tempo que eu não vinha aqui e quando venho... Nem tenho o que falar neh!!!

Vim algumas vezes ler o que tu escreveu durante o ano, mas não cheguei a comentar... ainda bem que agora estou de férias e dá tempo pra ter o prazer de ler um texto assim!! Simplesmente genial!!! E o filme ajuda neh?

Amélie está no Top 10 de 10 entre 10 cinéfilos!!! Excelente filme e excelente texto!!

Abraço Cristiano!

Eri Jr. disse...

Ah... me esqueci de comentar que o visual do blog tah fantástico!!!

Parabéns!!

Nelson L. Rodrigues disse...

Retratou com muita pertinência os temas ea técnica no filme. Excelente post meu caro!

Estou seguindo seu blog com grande interesse.

abraço

Guilherme Sakuma disse...

Acho a protagonista deste filme uma graça. Não gosto desse cabelinho chanel, porém...

Anônimo disse...

Um toque de sonho em um mundo singular e unico que, ao final se torna plural. Amelie em sua saga consegue, graças ao destino, ampliar seu olhar delicado para a realidade de nino, do homem dos ossos de vidro, enfim - de cada um que assiste. Fantastico comentário Cris

Abs, Marcos

cleber eldridge disse...

Gostaria de pensar que é um filme obrigatório, pra quem gosta de cinema, é um filme acima de tudo charmoso, delicioso, encantador, primoroso e mais um monte de adjetivos.

Renato Tavares Mayr disse...

Filme pleno de delicioso, com ótimos atores e uma direção de primeira. Fora seu texto, que disseca o filme de uma maneira maravilhosa...

A crítica é tão boa quanto o filme!

Anônimo disse...

A fotografia de Bruno Delbonnel nos coloca no mundo delicado e vibrante de Amélie, além de Audrey Tatou estar brilhante, mais uma vez...
como sempre resenhas deliciosas Cris!Beijos, Tai.

Flávio Junio disse...

Maravilha de texto, sobre este ótimo filme. Nota dez!

bruno knott disse...

Filme excelente.Vc falou com propriedade sobre o diretor Jean-Pierre Jeunet, grande trabalho dele.

Ah sim, e realmente é impossível separar a musica do Yann Tiersen do filme.

Gustavo Darwich disse...

Ainda não vi, mas pelo texto deve ser muito bom. Vai entrar na minha lista.
Abraço.

Pandumiel Tunmarë disse...

Eu não acredito que ainda não assisti esse filme, mas nem tudo é perfeito!

Acho que esse filme é uma peça do quebra-cabeças da minha vida!!!

Se for tudo que vc falou aí, vou me ver na tela! `^^´
Show de bola o post!

Danilo Soares disse...

Lindo blog, lindo texto, lindo filme...

cada vez mais fã do apimentario...

;)

Danilo Soares disse...

Eu ia escrever um monte de pornografia, mas depois que vi que os comentarios precisam de aprovação, deixei pra lá!


ahahahhaha

Amanda Aouad disse...

Não sou das fãs mais ardorosas de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain. Acho apenas um filme interessante, bem realizado e com uma estética diferente. Mas, adorei seu texto, deu até vontade de rever para constatar algumas coisas.

bjs

Alyson Xyzyx disse...

O Fabuloso Destino de Amélie Poulain é um dos filmes que mais ouço elogios e mesmo assim não me interesso a ver, confesso. Porém, sinceramente, esse texto é o que mais me instigou a vê-lo. A descrição da personagem está bem mais aprofundada e consegue revelar a aura da figura sem falar dos segredos que o filme ainda tem guardado. Parabéns!!

Abraço!

Foose disse...

Esse é um dos meus filmes prediletos. Ele é simplesmente encantador. A personagem é leve e delicada, divertida e desastrada, de um modo tão encantador e lúdico que faz com que você queira ter um pouco dela em você. É mesmo um filme fabuloso. Vale a pena conferir!!!

Ótima crítica amigo!

Por que você faz poema? disse...

Sempre interessantes suas considerações, mesmo quando eu discordo de algumas.

Fábio Henrique Carmo disse...

Tem muita gente fã desse filme por aí. Já é um clássico! Belo texto e grande abraço!

Edson Cacimiro disse...

Tão cedo também ela fará um filme tão gostoso! Esse filme é uma delicia de se ver, uma trama por vezes tão inocente que nos surpreende.A trilha sonora então...

Mosaico Cultural disse...

O filme seria apenas uma comédia romântica "água com açucar" se não fosse o toque genial de Jean Pierre com sua direção impecável e uma das mais belas fotografias que já vi. A locução em off também dá um toque especial a história e a protagonista é encantadora. Um dos meus filmes preferidos, está na minha coleção.

Abs. João Linno.

Wanderley Teixeira disse...

Bom saber q temos mais um baiano na Sociedade. Esta pimenta é indispensável, não? Hahaha
Bem-vindo Cristiano, q possamos trocar muitas ideias neste próximo ano de 2011!
Amélie Poulain é um xodó!
Abraços!

Evandro Oliveira disse...

Conheci seu blog no espaço Justo e Digno, e adorei.
Gosto muito desse filme e sua abordagem foi perfeita.
Quem de nós já não se sentiu um pouco Amelie?

Estou te seguindo e espero uma visita sua para conhecer meu blog.

www.sabordaletra.blogspot.com

Jozi Elen Fleck disse...

Fico catando blogs legais na internet. Sou apaixonada pela palavra. E logo que encontrei o apimentário , pensei: que lindo este nome. Corri atrás e logo já me dou de cara com Amélie. PUTZZZZzzz, muito bom.
Parabéns, mesmo. Coisa boa ter qualidade na blogosfera. Queria convidar para dar uma apimentadinha no meu blog: www.olugardascoresescritas.blogspot.com Acesse lá, fique à vontade nas minhas cores e siga-me. Vamos trocar pimenta com cor?
Sempre que puder, comentarei aqui.
Acho importante isso. Opinar sobre o que se tem de bom!!!
Abraço, Jozi

Matheus Pannebecker disse...

Não gosto tanto, mas é um filme cheio de aspectos interessantes, em especial a impecável atuação de Audrey Tautou e a parte técnica!

Rafael Moreira disse...

Olá, Cristiano. Eu nunca vi Amélie Poulain. Está no todo da lista dos filmes franceses não vistos. O engraçado é que já tenho o filme em casa mas nunca o coloquei no DVD. Quem sabe quando essa correria de final de ano eu pare para ver o filme. Feliz natal e um abraço!

Wallace Andrioli Guedes disse...

Saboroso é mesmo a palavra para definir AMÉLIE, apesar de eu só ter realmente gostado do filme ao assisti-lo pela segunda vez, há pouco mais de um ano. Na primeira, era ainda um adolescente, e achei tudo muito estranho... no entanto, confesso que ainda me irrito um pouco com a aura cult que o filme ganhou: há um bocado de gente que cita AMÉLIE só para parecer cult... mas é um ótimo filme, não dá para negar.

James Lee disse...

Filme realmente encantador, impossível não se render aos encantos de Audrey Tautou nesta fita.

Como sempre, ótimas observações e pontos críticos. Ah, antes que eu me esqueça, não tenho msn, não gosto muito da ferramente, hehe

Abraços, Sebo Saukerl.

joyce domingos disse...

este filme é cheio de pequenas belezas sutis que saltam aos olhos e emocionam.

bom ver amelie por aqui....

vc é um arraso de bom gosto.como sempre.

bj

Kiko Lemos disse...

Ótimo filme, tenho em minha coleção. Doce e sincero, gostei da resenha

Ingrid disse...

Amei a sua abordagem. Conseguiu despertar o meu interesse. Assistirei em breve. ;)

Cocada.g disse...

Nossa! Sua crítica ao filme foi muito boa! Realmente me deu muita vontade de assistí-lo! O filme é bem interessante acho que vale a pena!

abraços!

M. disse...

"...Amélie Poulain" um filme que emociona de verdade.

Cristiano! Estava sumida devido a carga excessiva de trabalho, mas estou passando aqui para te desejar um Feliz Natal e um 2011 de grandes conquistas!
Um abraço.

Jonathan Nunes disse...

Um dos melhores filmes da década passada. O Seu texto é completo e expressa exatamente a sensação ao assistir a esse longa.
Abs.

Wally disse...

Ummm, tão bom ler um texto sobre este filme. Amo demais. E demorei tanto para ver, até comprei. Acho as cores e a fotografia, como você bem coloca, primordiais. E também adoro essa veia imaginativa do filme, como se fosse uma espécie de fábula.

gabriel disse...

Amo esse filme e amei esse texto. Esse eu não consigo me cansar de ver. Amélie é o amor enrustido em pessoa, cheia para distribuir mas fantasiando com o dia em que alguém o distribuirá para ela.
Lindo mesmo, abraços.

lematinee disse...

Oi Cris!

Nao sei se é porque o filme é frances o que pode reforçar mais minha sensibilidade, mas acho este filme super apaixonante. Tipo um amor ingenuo e puro como vc citou mesmo, sabe?

Gosto da trilha sonora e dos tons amarelados, esverdeados e avermelhados em várias cenas, uma preocupação sutil e delicada do diretor.

Boas festas pra ti!

Bjo

Edu O. disse...

Excelente leitura do filme. Tenho em casa e assisto sempre, não canso

LuEs disse...

Eu realmente consigo atribuir elogios a alguns aspectos desse filme, mas como um todo ele não me impressiona e eu não o considero uma das obras mais fantásticas do cinema.

O efeito estético visual é fantástico, não tenho dúvidas. A trilha sonora também é muito boa, admito. Mas, não sei, acho que falta algo...

annastesia disse...

Amélie é um dos filmes que define a primeira década do século XXI.
X-cellent!

Ingrid disse...

Bom...Assisti o filme como disse, e a sua abordagem está totalmente de acordo. Ótimo texto e filme.
Amélie é engraçada nos últimos minutos. É "confortável" assistir!

Mirella Santos disse...

Todos me falam bem desse filme, mas no funfo nunca havia me interessado, parecia ser romântico demais pra mim.
Porém, agora eu fiquei interessada em ver por causa da Audrey Tautou, nem conseguia imaginá-la em um filme assim. Seu texto está muito bom. Abraços.

Pandumiel Tunmarë disse...

Reafirmo, não acredito que não tinha ainda assistido!
E realmente, foi a mesma coisa que me ver na tela!

Absurdamente delicioso, envolvente e mágico!
Mágico, Mágico e Mágico!

E simples... realizado com genialidade e um espetacular senso de tempo e espaço do diretor!

Mágico...

Aline Vaz disse...

Que texto fabuloso, assim como o filme.
É possivel visualizar a obra cinematografica pelas suas palavras que são extremamente bem colocadas em uma das melhores criticas que já li sobre Amelie.
Parabens pelo blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Aperitivos deliciosos

CinePipocaCult Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos Le Matinée! Cinéfila por Natureza Tudo [é] Crítica Crítica Mecânica La Dolce Vita Cults e Antigos Cine Repórter Hollywoodiano Cinebulição Um Ano em 365 Filmes Confraria de Cinema Poses e Neuroses