Clássico pulsante

E se você fosse Billy Hayes, um estudante americano que é preso por porte de haxixe? E como aturar estar condicionado numa prisão turca, em condições sub-humanas? E se, prestes a ser solto, sua pena é ampliada para 30 anos? Como permanecer lúcido tamanha realidade infernal da corrupção carcerária? E se é torturado sem piedade lícita? E se a coragem interior se abala tamanha ofensa e espancamentos diários? E, diante da perda da própria identidade e sanidade, como fugir? E há possibilidade de esquecer a namorada em função de um prisioneiro amigo gay? E se, tudo isso, for baseado em cruéis fatos reais? E quão clássico pode ser o surpreendente filme O Expresso da Meia-Noite? E quão realista e doloroso é o roteiro argumentado por Oliver Stone? E tão dramático, em excelência interpretativa, é o ator Brad Davis? Eis as indagações que se auto-afirmam, ao longo desta pequena obra-prima do cinema. O filme é um impressionante estudo sobre a luta de um jovem contra a perda da própria identidade, árdua sobrevivência ante à brutalidade impiedosa de um sistema e à própria derrocada rumo à loucura para poder superar grandes traumas e, com esperança, fugir do cárcere. A trilha sonora eletrônica, concebida por Giorgio Moroder, foi precussora na época, determina um tom conceitual de drama à película - provoca, insinua com embalos instrumentais e determina um tom de nostalgia à obra cinematográfica. Um virgor da direção de Allan Parker, jamais envelhece. O filme é altamente pulsante.

37 opinaram | apimente também!:

Paulo [ALT] disse...

um dos meus filmes favoritos, recomendo a qualquer pessoa. e como vc disse, a atuação de Davis eh excelente, ele realmente se entregou ao papel. pena q morreu tão cedo. ótima idéias de postar, cris. principalmente pelas suas indagações. [ps. gostei da foto]
abraçoo

Luis Adriano disse...

Ainda não assisti a esse filme, mas espero fazê-lo em breve. As perguntas que você fez foram muitas e eu espero respondê-las com bastante precisão, pois você me instigou a ver o filme.

Marcelo Mayer disse...

eu sinceramente, achei exagero este filme

Mero disse...

nao o vi mas certamente esta em minha lista .

Ciro Hamen disse...

bacana Cristiano. Nunca vi, mas agora vc me deixou com vontade.

Abraços!

Diego Hatake disse...

Nossa, há tempos que quero comprar esse filme, mas não acho o DVD por aqui! *ódio*

Gilson disse...

Muito interessante o tema, realmente devem existir vários nessa situação, a perda de identidade faz com que a pessoa passe a viver a realidade daquele mundo para conseguir sobreviver.
Ótima indicação.

Tá sumido amigo.

Abs

Elisangela Batista Barbosa disse...

Isso tudo que você escreveu me lembrou Kafka. Acho que ele vivia isso dentro dele mesmo, sozinho! Essa perda de identidade atormenta ambos, "Metamorfose" e "O Processo".

Um abraço,
Elis Barbosa

Anita Grey disse...

Fico feliz com a visita e por ter gostado do meu blog =)
estou te seguindo também e mais tarde quando voltar do dentista (argh) eu dou uma boa olhada no teu que me interessou bastante!!!
beijos!!!

Rubem Rocha disse...

FILMES! ótimo. te sigo

Gema disse...

É um filme que sempre quis ver, mas nunca tive a oportunidade para fazê-lo...

Breno Reis disse...

Apesar de ter lido várias críticas positivas sobre esse filme ao longo dos anos, rs, nunca assisti a Expresso da Meia Noite. Bom, vou ver se acho na locadora aqui perto de casa, principalmente agora que descobri ser do Oliver Stone ^^

Luna Gandra # disse...

Já coloquei em minha lista para assistir !

Wenndell A. Amaral disse...

Cara, é claro que podemos fazer uma parceria. Você quer o link do Apimentário lá no Tempo Moderno na parte que temos reservadas para links ou quer o banner com o logo do blog ?

Reinaldo Glioche disse...

É isso aí Cristiano. Vc capturou o espírito da obra muito bem. É realmente um tratado sobre força interior e sobrevivência... Um filme atemporal. Parabéns pelo artigo.

as viciadas disse...

e eis que você se supera a cada dia.

o filme é de fato, muito bom.

beijone da sua fã, L.

Cleber Juliano disse...

Parabéns pelo blog. Temas muito interessantes.

Abraços,

hperson disse...

Obrigado pelo comentário, Cristiano! Também gostei do seu blog, seguirei. Fiquei curioso em ver esse filme.
Abraço

it was RED - Para quem gosta de cinema disse...

Sou apaixonado por esse filme! Amo todos seus aspectos, mas tenho um carinho especial pela trilha sonora. Excelente a cena inicial, na qual ele é preso. A tensão do momento nos é retratada perfeitamente.

Junior disse...

Ainda não assisti esse, mas já coloquei no topo da lista...
Valeu pela visita

Andréa Mota disse...

Pelo menos nesse, ele pulsa. Recentemente, li um livro pertubador, "O estrangueiro", de Albert Camus. O cara vive por viver, sem amarras e sensações. Até Josef K., do Kafka, demonstrava ter mais sangue nas veias que o tal do Meursault.

Mas, o que eu to dizendo...
Interessante o que um texto faz na cabeça da gente. Sai da cadeira e voei por outras paragens.

ps: muito bonito o que escreveste no blog. Brigada, menino! \o/

Alexandre F. disse...

Parabéns pela atitude do blog!

Volte sempre à ANTENADO!

Hugo disse...

Um dos grandes clássicos dos anos setenta. A sinistra prisão turca com seus guardas quase psicopatas é de assustar qualquer um.
A sequência inicial que começa com Billy Hayes se preparando escondendo as drogas e terminando com os policiais o prendendo é de uma agonia poucas vezes vista no cinema.

Abraço

Serginho Tavares disse...

alan parker fez coisas excelentes

Micael Gallo disse...

Essa historia parece ser mto boa... fikei curioso.. vou procurar pra ver ;)

Marcelo A. disse...

Cara, esse filme é maravilhoso! Lembro muito bem da trilha sonora do Moroder, que pontua o filme de uma maneira sem igual... E as cenas do Billy com o pai?! E quando a namorada dele vai visitá-lo e ela tira a blusa e lhe mostra os seios?! Caraca... Fiquei arrepiado! Filmaço de primeira...

Ei, o Brad Davis já é morto, né? Foi Aids?!

Grande postagem...

Abração!

- Gean Carlos disse...

Putz, pelo cartaz ele me conquistou, meio psicodélico, meio sei lá!
vou procurar ver.


:D

Ausência Instável disse...

O filme pela o escrito que vc disse, parece ser uma realidade que precisamos ver ...

É bom mesmo ver um pouco desse tempo antigo tenebroso rs, mas uma pura realidade.

Otima indicação !!!!

Abção

Carol Stones disse...

tenho horror a esse filme.
é tenso, é triste, é forte e cruel.
esse e para sempre lila, filmes que nao gostaria de ver novamente.

Eduardo Santos disse...

Obrigado pela visita ao meu blog e por ter deixado seu comentário.
Gostei bastante desse seu espaço, você possui um pensamento e análise bem refinados enriquecendo a leitura de seus textos!

Anderson Diniz Bernardo disse...

Cristiano, muito obrigado pela visita e pelo comentário no meu blog. É esse tipo de comentário que motiva a continuar escrevendo!

Também gostei muito do seu blog! Texto bem escrito, análises que fogem do lugar comum... também vou seguir!

Abraço! ;)

Paulo Alonso disse...

Cristiano! aquele blog q vc entrou não é o oficial, eu so usei ele como modelo.. o verdadeiro é www.pauloazul.blogspot.com
;)
ja estou seguindo teu blog! adorei por inteiro!
grande abraço

A Bailarina disse...

Nossa. Parece ser bem forte e bem interessante.

=*

Rodrigo Mendes disse...

Roteiro do Oliver Stone.

Adoro!


Alan Parker também tem uma bela filmografia.

Abs!

T1460 disse...

Parece ser bem tenso e dramático, analisando a sua descrição do mesmo.

Dewonny disse...

Vc tem razão, passa os anos e esse filme continua excelente, assisti à muito tempo atráz pela primeira vez, mas andei revendo esse ano, é o melhor do Allan Parker! nota 9.0!
Abs! Diego!

Talles azigon disse...

estou eu no momento em assistir clássicos e com toda certeza irei assistir o expresso da meia noite.


lendo você sempre para saber o que vê o apimentário é um serviço de utilidade pública.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Aperitivos deliciosos

CinePipocaCult Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos Le Matinée! Cinéfila por Natureza Tudo [é] Crítica Crítica Mecânica La Dolce Vita Cults e Antigos Cine Repórter Hollywoodiano Cinebulição Um Ano em 365 Filmes Confraria de Cinema Poses e Neuroses