O amargo veneno da mediocridade?

É intragável observar como uma garota de programa consegue obter fama, com um livro tão explicitamente insignificante. Basta falar de sexo para conseguir provocar alguma reação? Qual o conceito do erotismo que beira à pornografia? Sinceramente: é infantil, da parte dela, crer na possibilidade de atiçar alguma sensualidade e tesão em um leitor. Bom, o livro certamente obteve êxito em vendas, mas best-seller é sinônimo de qualidade? O Doce Veneno do Escorpião exerce o absurdo: a "escritora" Bruna Surfistinha desmede relatos incontáveis de suas orgias, relações homossexuais, beijos-gregos, orgasmos múltiplos, felações aliadas às fantasias surreais...e? Não consegue, em momento algum, pronunciar palavras diretas como "buceta" ou mesmo "cu". Contraditório, não? O livro cuja narrativa funciona como uma espécie de diário - concretiza citações, relatos e situações sobre o cotidiano da prostituta, altamente concebidas para provocar: são comentários, contextos e parágrafos inteiros de pura libertinagem banal. Tem uma organização não-linear, intercalando memórias da putaria com a autobiografia da moça. O texto foi escrito e organizado por Jorge Tarquini, veterano jornalista. Há o predomínio do sexo por sexo, sem a pura elegância literária. E, além disso, tenta ela reverter tudo, ao fim, como uma espécie de auto-reflexão. Para completar, o livro está sendo transposto para o cinema, a adaptação conta com a direção de Marcus Baldin e Deborah Secco como a protagonista. É pra rir de nervoso por tanta banalidade. A literatura aliada ao cinema diante da causa pelo trivial da mediocridade?

52 opinaram | apimente também!:

Luís disse...

OK. Primeiro, vou à confissão: eu comprei o livro.
Não acho, porém, que o livro instigue qualquer excitamento no leitor, porque é apenas um diário hipócrita no qual a "escritora" - acredito que ela narrou enquanto alguém degitava, fazendo correções apropriadas - relata alguns acontecimentos de sua vida dupla, como Raquel Pacheco, a pessoa, e Bruna Surfistinha, a prostituta.
Não posso dizer que não me entretive com o livro, pois eu gostei. Não o comparo a nenhum título signiticante da literatura ao dizer que gostei dele; digo apenas que o li com sincero agrado.
Acredito que boa parte do que está lá - 65%, talvez - seja invenção; as páginas pretas não servem para nada e o título do segundo livro que ela escreveu - ou relatou, como prefiro acreditar - é plágio do documentário a respeito da turnê Blonde Ambition, da Madonna.
Mas, ainda assim, achei legalzinho.

Caique Gonçalves disse...

Nunca me interessei pelo livro porque sabia o que lá me esperava. Best-seller nos remete mais à facil digestão das palavras do que de uma notável qualidade literária. Bom texto! Prova que, apesar do meu preconceito, eu não errei em desprestigiar essa mediocridade literária.

Lari. disse...

Não comprei e não vou comprar. Nem mesmo vou conseguir um exemplar emprestado para ler o seu conteúdo que, de conteúdo mesmo, não tem nada.
Sexo é, sem dúvida, um dos assuntos que mais atraem as pessoas. Porém, a cultura que se formou em torno do sexo, as manifestações sexuais que estamos "acostumados" a ver criam uma imagem irreal e banalizada do sexo.
Outro dia, meu professor de Cinema comentava que estamos tão cercados de pornografia, dessas chulas e baratas que nos limitamos a chamar isso de sexo. E isso atraí, sei lá porquê. Contraditóriamente, quando algum filme mostra uma cena de sexo real, desses que os seres normais fazem em casa (sem a perfeição irreal dos filmes pornô), as pessoas se sentem ofendidas e desconcertadas diante da cena. (?)
Como disse, não sei detalhes do livro, mas creio o sucesso esteja relacionado a isso.

Angelo A. P. Nascimento disse...

Concordo com a tênue linha entre o erotismo e a pornografia. Nunca entendi como aventuras de uma prostituta pudessem vender tanto. O que ela faz, fazemos nós dentro de quatro paredes, sem envolvimento financeiro.
Sexo é sexo. O erotismo segue como moldura e por vezes supera a sensação de despertar tesão, quando comparado ao explícito.
Tem o subjetivo da personagem em primeiro plano?
Duvido.
Soltem os escorpiões.
Abraços

Sandra Botelho disse...

Como em varias partes da literatura, musica,artes etc, temos o chamado lixo. Eu li apenas um resumo do livro,
por curiosidade mesmo.
Sem enredo, sem concordancia , sem objetico, lixo.
Amei teu texto.
Bjos

osmar.bispo@bol.com.br disse...

Obrigado por visitar meu blog, sim a proposta é interessante pretendo dar continuidade, neste momento estou escrevendo sobre varios blogues, logo logo estarei editando no (Queroliteral,nome provisório)e uma novidade ele terá dominio e formato diferente espere e verá. Visita o meu literàrio.

Guto Angélico disse...

O livro fez sucesso pq no nosso país o sexo é um assunto que gera interesse e que é visto como tabu, e tudo que é "proibido" vende! E ofato dela ser uma garota de classe media, bonita , atiça sim o imaginario, ate pq parte do fato que poderia ser uma amiga proxima e que vc nunca desconfiou.

O filme suponho que seja bem diferente do livro, até pq eles já disseram que será uma adaptação e a deborah secco tem um q de sensualidade a flor da pela, como no filme " A cartomante" onde as cenas de sexo são mais lembradas que o proprio enredo.

Flavih Jones disse...

Não posso mentir.
Eu li o livro.
Curiosidade mesmo.
Mas é uma porcaria.. não sei o q viram pra leva-lo ao cinema.
Pode ser que ele seja o contrario dos muitos filmes retirados de livros q eu conheço. Pode ser q eles consigam transformar o filme em uma coisa melhor.
Será possivel?

Beijo

Léo C. disse...

Ela conseguiu.
Se deu bem e hoje ganha uma grana pra fazer filme pornô.

O livro dela, nada mais parece do que um currículo vitae mas compridinho (pelo que disseram aí, pouco verídico).

Thyanna disse...

Sinceramente, não sei o que o diretor dessa editora tinha na cabeça quando publicou essa obra[ se é que pode ser chamado dessa maneira], senceramente não sei...
Não li o livro, mas pelos comentários ácidos e pelo pouco que se sabe da autora, não estou perdendo nada em me recusar a ler esse livro.
Parabéns pelo texto.

Paulo [ALT] disse...

cris te confesso que nem nas vezes que eu passei pela livraria e ele tava lá sem ser lacrado eu tive vontade de ler. se vc quer algo que não tenha sentido e que explicitamente não seja literatura, a internet tá ai pra isso, é ridículo lançar em livro. sobre a obra para o cinema.. se seguirem o livro pelo q tu flw não vai passar de um nada. pelo menos poderiam dizer que é "livremente inspirado", ai já é outra coisa não acha? mas sei lá. soh acho injusto darem chance pra isso enqnto existem vários escritores anônimos pelo Brasil que não conseguem. injusto.
abraço

Gilson disse...

Ela conseguiu o queria, atiçou a curiosidade de muitos e ganhou uma graninha e alguns momentos em programas sensacionalista.

Abs

PS: Vc anda sumido.

Nayara Diniz disse...

Prostituindo a literatura e o cinema. Longe do saudosismo, acredito na literatura moderna, mas a banalização da escrita chega a irritar.

Obrigada pela visita no blog, e pababéns, a maneira que tece seus textos aguça a vontade de ler até o final.

Tute Braga disse...

iashaishaishaishaishaihsa
Essa foi a melhor piada do ano!
Sério!
=)

Primeiro: QUEM a Bruna Surfistinha PENSA que ela é pra escrever uma biografia?!
Pior não é isso, pior é quem perde tempo lendo isso!
E depois ainda me vem um palhaço querendo adaptar essa porcaria pro cinema?! É melhor a galera baixar os filmes pornôs dela, neah?!
Aff....
Essa mudernidade, não sei não...
=/

Beijossss

Diego Hatake disse...

Bem, parece que muitos aqui (inclusive o post em si) tem opiniões semelhantes: eu não comprei o livro, li alguns trechos e achei chato. Vi nada demais nele. Já fiquei excitado com contos eróticos de blogs de mulheres héteros que existem por aí, mas esse livro não me despertou nada, nadinha!
O sucesso talvez só tenha sido entre homens héteros de meia-idade tarados por ninfetinhas (embora essa Surfistinha seja feia pra c...) e adolescentes que acham que só abrem um livro se as escolas pedirem. E tem que considerar as pessoas que compram TODO best seller por pura curiosidade.
Agora eu devo dizer que o livro da mulher que foi trocada pela Surfistinha, o Depois do Escorpião é até divertido de se ler. A linguagem é bem acessível mas eu ri bastante em algumas partes...

_Thiago disse...

Não li o livro, mas acho que você tem razão. As pessoas se atraíram muito por um motivo que eu não compreendo muito bem. Talvez porque elas pensem pouco sobre uma coisa tão natural como é o sexo descompromissado e a putaria. Fingem que é algo novo, em páginas reveladoras. Talvez seja hipocrisia.

Abraços e bom domingão ^^

Pedro Antônio disse...

Parabéns!

Excelente texto! Você disse tudo! E quantos blogs por aí mereciam (ou merecem!) virar livro! No entanto...

Você argumenta muito bem!

Virei seguidor!

Um abração! E te espero na torre, sempre que puder!

Pedro Antônio
A TORRE MÁGICA

Esther cyrraia disse...

Olá!
adorei o seu blog! super variado e vc é claro, escreve muito bem! quanto ao livro, eu confesso que li o primeiro e achei fraquissimo, nao tenho intençao de continuar a saga...
vc disse que linkaria meu blog, eu nao sei o que é isso! rsrs tudo bem, eu sou nova neste mundo de blogs...
xeru
http://culturaeinutilidades.blogspot.com/

Rodrigo disse...

Apimentário mesmo!

É um prazer que você possa ecoar por lá.

Li metade deste livro que baixei pela internet. Cara não cheguei a refletir muito sobre o fenômeno, mas o que me veio na cabeça foi "Ah, prefiro Bukowski".

Enfim, a Mass Media pega pesado, e eu particularmente decidi nao entrar em contato com essas drogas pesadas.

mas, de fato, o que faz aqui é um exercício de resistência!

Um abraço.

Fotograma Digital disse...

Mais incrível é o ministério da cultura ter aprovado a verba de 5 milhões de reais para a produção do filme. Mais incrível ainda é que (obviamente) o filme não terá nem as tais cenas de "putaria" pois será estrelado por um global.

Palatus disse...

Meu caro, permita-me copiar esta crítica (muito objetiva e certeira)imprimir e deixar dentro do exemplar de um amigo meu...para ver se ele deixa de ler pela segunda vez e compra uma revistinha de putaria nas bancas que certamente ele terá mais resultado. Não quero aqui dizer que o livro da "sulfistinha" (e não escritora que se preze) foi feito para isso, mas depois que li (dado o número de elogios) concluí que nem para "tocar uma" não presta. Aff! Bem, espero que o cinema use do tema para discutir algo que faça sentido, pois se repetir a dose da obra, não vai ter meu dindim. Ah, mais do povão vai...afinal, brasileiro adora ver filmes ler, mas ler sobre sexo.

Boa reflexão a sua.
Inté mais.

Palatus disse...

Ah, só para pensar...houve gente que disse que o livro parece "A casa dos Budas ditosos", do meu conterrâneo João Ubaldo Ribeiro. Pode até ter alguma semelhança na cor da fonte, porque o resto nem de longe se parece.
Abç

Abraão Vitoriano disse...

eu li.
e achei tudo muito peculiar, tem absurdos e coisas para maiores de 50 anos...rs

não destestei e nem admirei, só mais um livro... pode ser que o roteiro como filme fique legal...rs

abraços,
e te espero no meu blog...

San Melo disse...

-Ola! N nos conhecemos..mas so pelo seu ultimo post...adorei.!
Seu texto è de otima qualidade, e concordo plenamente com a critica.
Parabens e ganhou uma nova seguidora agora. Espero que eu também. bjs

Mero disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mero disse...

li e gostei do livro que apesar de não ser um machado de assis é um bom livro divertido e tenta acabar com o tabu das garotas de progama falha nesse quesito pelo fato de ser evidente que ela não escreveu ,o livro gera tanto preconceito porque aborda o tema sexo em troca de dinheiro uma questão muito dificil se o nosso corpo é o unico bem que realmente temos por que não fazer o ele o que bem entendemos não quero fazer apologia a prostituiçao mas se voce quer vender seu corpo voce tem esse direito tudo depende do seu carater eu não venderia o meu mas cada um faz o que acha melhor em sua vida quanto as pessoas que não leram o livro e consequentemente não gostaram estamos em um pais livre todo mundo pode dizer o que pensa com ou sem fundamento

Mateus Luciano disse...

seu texto é pelo geito a unica coisa que se salva nessa história ,
pois eu vi um filme da surfistinha "atuando"e ela e ruinzinha....

Bruno disse...

Não sou apto para criticar, tampouco para elogiar tal obra por não ter lido. Mas farei como faço com as estupendas obras do Mago escritor, que nos propricia encontros com o místico com textos crivados de erros de português.

"É lamentável que este tipo de obra tem alcance que tem".

Ser campeão de vendas passa longe de obrigação de qualidade.
Edir Marcedo coleciona números incríveis com suas obras.
Se é que se pode chamar de obra aqueles disparates impressos.

Um grande abraço e parabéns pelo sucesso.
Adorei encontrar seu diário.

BRENNO BEZERRA disse...

É o Brasil

Thiago Luz disse...

Cristiano,

Como dizia Renato Russo, vamos celebrar a estupidez humana... Mas, cabe ressaltar uma "qualidade" da Bruna Surfistinha: pelo menos ela é uma puta assumida. E quantas outras putas não alcançam o sucesso na TV fingino-se santas? Enfim, puta por puta, somos todos filhos-da-puta numa sociedade hipócrita, fútil e que valoriza mais as Surfistinhas da voda do que os escritores da vida. Abraços.

Anônimo disse...

Deixa a puta, beesha!

Pedro Thiago disse...

Primeiramente muito obrigado pelo comentario la no blog.
Gostei muito do seu tambem, "o amargo veneno da mediocridade"... Você é realmente um genio, não sei como esse tipo de leitura vendo, enquanto tem tantos bons escritores querendo um lugar ao sol, essa é mais uma prova que Best-seller não é sinônimo de qualidade, a verdade é que na maioria eles são um verdadeiro lixo como esse.
Abraços e volte sempre la no blog e antes que eu esqueça, ja estou seguindo você.

Fernanda disse...

Olá,

Respeito seu ponto de vista afinal, estamos no Brasil e por aqui não é difícil conquistarmos 5 minutos de fama. Mas, creio que sua crítica foi um tanto qto radical. O tema prostituição sempre exerceu fascínio, principalmente pelo teor (proibição, algo oculto, não totalmente liberado e aceito pela sociedade) e no caso de Bruna Surfistinha foi mais uma opção de vida, do que propriamente meio de sobrevivência. Portanto, uma escolha e um direito.
O fato da obra ganhar as telas de cinema é até aceitável. Afinal a maioria dos filmes têm por objetivo...lucro de bilheteria ou seja, retorno comercial mesmo.
Não faço apologia à prostituição e acho sinceramente que Surfistinha entrou no ofício pelo prazer, como forma de satisfação pessoal. Mas, tbém acredito que isso faz parte do direito de livre escolha.
Abraços...Fernanda pautajornalistica.blogspot.com

Mescla de culturas disse...

Admito que desejo asssitir a esse filme.HAHAHAHHA
veremos se sai coisa boa daí !
Como a Fernanda falou aqui em cima
vamos tentar ser menos radicais

abss

Carol Rodrigues disse...

O mundo tende á banalização...

É lamentável!

Lacobos disse...

Olha, e eu perdi participação de figurante no filme rsrs sim, eu ia ser figurante do filme...

Valeu pela visita no meu blog!

Uacht!

http://dadonanet.blogspot.com

Cristiano Contreiras disse...

Cara Fernanda,

'Opção de vida', 'entrou pelo prazer' e 'pela satisfação pessoal', tudo bem...tudo bem. Mas, estamos falando, ainda, de PROSTITUIÇÃO, Fernanda, né mesmo? Independente da escolha ou não, independente da vontade e da opção - estamos falando sobre PROSTITUIÇÃO. E, ao meu ver, será sempre algo sujo, estranho, lamentável e banal! Não vejo beleza alguma nessa "oção de vida e trabalho ou prazer, ou sei lá o que pode ser chamado", me desculpe: mas quanto a isso, tenho o direito de ser radical sim. Prostituir-se, em todas suas variadas formas de vida, é algo extremamente lamentável, é observar como um ser humano pode ir rumo ao inverso da progressão moral. Bruna tem sim o direito, a opção, a escolha de ser uma prostituta - ou mesmo uma advogada conceituada - isso é com ela. Mas, eu não tenho que acatar isso como 'normalidade', não mesmo.

Direito, portanto, é o meu: de lamentar o quão podre se encontra a sociedade imersa neste mundo tão predatório...

Respeito seu comentário, respeito sua opinião. Só quis, aqui, responder a sua postura escrita lá no meu blog. Encerra aqui, não cabe estender essa discussão...

Abraço!

T1460 disse...

Não deve ser muito pior que a maioria dos best sellers, mas não li este livro para poder comparar.

Rafael Costa disse...

Por último, saber que Deborah Secco fará um filme baseado num livro tão idiota como este.

Ao livro.

Como dissera, esse livro fez enorme sucesso e aqui na faculdade ele bombou por um tempinho. Não o li, pois é rídiculamente feito. Primeiro, uma ex-prostituta - esclareço que não estou rotulando ninguém, as próprias pessoas usam roupas como subterfúgio -, narrando suas histórias sexuais querendo que estas sejam mostradas de forma poética - sem falar cu ou buceta -, e por fim dar dicas as pessoas como fazer um sexo gostoso e chupar bem uma pica. Faça-me o favor, querida, uma punhetinha pra mim. É tão mais interessante ler o kama sutra ou assistir um filme romântico como muito sexo (sensualidade) implícito.

Para concluir:

Quanto mais hipócrita a pessoa, mais sucesso faz, se escandalizam e acham lindo isso. Há de convir, é possível falar de sexo num país onde as pessoas têm vergonhas de seus corpos?

Não.

: *

Licória disse...

Será que como escritora ela é, pelo menos, boa surfista?!

Leza disse...

ouvi na tv uma chamada que dizia "é a christiane f do brasil", se não fosse a tv que tinha dito eu teria comprado o livro!rs é complicado julgar um livro sem ter lido, mas puta que pariu não vira se masturbar ouvindo bowie e lendo a surfistinha!rs

Marlon Vila Nova disse...

Nunca quis ler por conta das críticas negativas ( e únicas) que ouvi a respeito.
Pelo visto realmente não perco nada.

Alysson-Syn disse...

Eu não li o livro. Não me interessei pelo conteúdo. Não me interessei sequer pelo grande foco que a mídia deu pra uma ex-prostituta (ex?), afinal, várias outras pessoas também abandonam tal profissão e permanecem no anonimato. A pergunta é: o que de tão incrível esta garota fez pra merecer uma biografia?

E lendo aqui do que se trata o livro, o que de tão bombástico em uma literatura medíocre merece ir pras telonas por meio da interpretação medíocre de uma atriz medíocre?

Fala sério...

Abraço Cristiano!

Alline disse...

Ironia: agora só falta a moça ser convidada para a Academia Brasileira de Letras. Quem duvida?

ERICK MOURA disse...

Eu li o texto.
Em primeiro lugar não atiro pedras porque abordou um assunto que serviu como uma quebra de tabu, sem falar que o livro não foi feito para ser uma revista porno, então as pessoas que comentaram falando " que não da nem pra bater uma" FAZ FAVOR NÉ.
nao vou criticar o livro, porque acho que a ideia ja era o que todos esperavam, entao se voce pegou o livro pra poder ler, voce ja sabia que ia ler sobre a vida de uma prostituta.
sobre o filme, nao vou falar nada, porque ainda nao saiu.

ABRAÇO

ERICK MOURA

Helton Cenci disse...

Excelente texto. Quanto ao livro, não o li e não vou ler. Leio literatura, e para mim isso é outra coisa. Mas se há quem se sinta atraído por diários de ex-protitutas, o que se pode fazer? Cada um lê o livro que merece ler.

Abraços.

Matheus Bacellar disse...

Não sei quando isso começou, mas parece que a literatura está sendo afetada pelo mesmo vírus que atacou o cinema, a TV e a música. A polêmica pela polêmica, mesmo que pareça estranho, um assunto tão banal como a vida de uma garota de programa levantar tamanha discussão. Desde quando falar de cú, buceta ou pica é novidade? Qual a novidade em uma garota tornar-se prostituta? Não sei o que o livro traz de novo. Nem vou entrar na questão literária, seria ridículo pra mim falar algo sobre.

Parabéns pelo texto! Obrigado pelas palavras no meu blog! Abraço!

Hugo disse...

Por curiosidade em uma livraria li algumas partes da "obra" de Bruna Surfistinha e mesmo não sendo especialista em literatura, fica claro que ele apenas quis faturar um grana contando sua vida sexual.

Como dizem por aí, a prostituição é a profissão mais antiga do mundo e nunca irá acabar, a questão é uma editora bancar uma obra destas e além disso o governo liberar verba para produção deste filme. Outro ponto são as diversas aparições da garota na tv, mas infelizmente é o mundo em que vivemos.

Abraço

Mirella Santos disse...

Eu li esse livro, mas não comprei. Li por curiosidade já que todos comentavam, mas é um péssimo livro.
Peguei emprestado de uma amiga realmente achando que ela iria contar uma história de vida que tivesse dificuldades e que a levasse naquele caminho, mas não, encontrei uma biografia de uma moça totalmente vulgar e que não usou nem o mínimo de educação em seu livro pra explicar sua vida aos leitores.

É simples de explicá-la ela quis dar uma de José Saramago que escreve o livro pra si como se fosse um diário, a diferença é que José é um cara que tem capacidade de fazer um livro assim e não parecer idiota, já Bruna... Bjss Blogmurus

Daniel Senos disse...

Realmente, li o livro da Bruna e é de uma mediocridade incrível. Incrível, como você mesmo citou, é só falar desses tabus da sociedade, como o próprio sexo que o livro vende mais que arroz.

Daniel Senos disse...

Realmente, li o livro da Bruna e é de uma mediocridade incrível. Incrível, como você mesmo citou, é só falar desses tabus da sociedade, como o próprio sexo que o livro vende mais que arroz.

Marcio Nicolau disse...

Vivemos a era do "quanto pior, melhor", Cris.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Aperitivos deliciosos

CinePipocaCult Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos Le Matinée! Cinéfila por Natureza Tudo [é] Crítica Crítica Mecânica La Dolce Vita Cults e Antigos Cine Repórter Hollywoodiano Cinebulição Um Ano em 365 Filmes Confraria de Cinema Poses e Neuroses