Feminismo anti-submissão

Thelma e Louise é o reflexo da feminilidade extremista, a sensibilidade e fragilidade de mãos dadas contra o machismo social. O que prevalece é a luta do sexo forte? Obviamente, Ridley Scott concebeu um clássico ao dirigir o brilhante roteiro de Callie Khouri. Susan Saradon e Gina Davis personificam o feminino em busca de auto-afirmação, aceitação sexual diante de um predatório sistema conservador: as duas retratam típicas mulheres insatisfeitas, dona-de-casa, infeliz no cotidiano, que saem de sua rotina-padronizada rumo à liberdade incondicional. Thelma sai com Louise, num final-de-semana, para descansar e se divertir. A catarse ocorre quando, inesperadamente, ambas se envolve num precipitado esquema criminoso, decorrente de uma fatalidade. O cerco se fecha, ao passo que vivenciam o inferno de vida: da noite para o dia são taxadas como fugitivas criminosas, procuradas pelo FBI. O que era para ser bucólico e prazeroso vira selvageria alucinante nas estradas, tensão progressiva. Ridley Scott dirige o filme com extremo cuidado, proporciona misto de delicadeza e sexualidade feminina: as duas são extremamente intensas e dinâmicas, impossível não se questionar e ter identificacação com a premissa do roteiro. O filme concretiza um estudo sobre repressão feminina versus liberdade, indaga a relação de respeito e independência das mulheres perante aos maridos/vida, aborda casualidades sentimentais, estupro e assédio contra a mulher e questiona a integridade das relações amorosas. Como ser forte perante um casamento sofrível? Toda mulher há de ser revolucionária diante do machismo exarcerbado? Em busca dos direitos femininos, eis que a delicadeza surge como personalidade determinada. Thelma e Louise buscam a liberdade suprema, o amor eterno e a sobrevivência da própria identidade feminina. Um road-movie que tornou-se puro cult, é também um ato cinematográfico da crueldade do machismo ferino contra o feminismo destemido. É o sexo contra o sexo. Toda mulher merece ser mulher! A trilha sonora emblemática de Hans Zimmer, a fotografia pálida e ensolarada, bem como as participações de Brad Pitt - em início de carreira -, Christopher McDonald e Michael Madsen tornam a película indispensável. O roteiro tem drama e humor, mesclado com bons diálogos e situações. E o final, no alto do Grand Canyon, apoteótico e emocional, é altamente inesquecível pela imprevisibilidade e poesia retratada. Um desfecho cicatrizante para um filme que não envelhece.

32 opinaram | apimente também!:

nath. disse...

Um dos poucos que me faz largar a preguiça e querer baixá-lo. Muito bom! Estou te seguindo, e obrigada pelo último comentário, mesmo. Até logo.

Marcelo A. disse...

Thelma e Louise é um filmaço e, apesar de relativamente recente, já é um clássico. Sarandon e Julia Roberts parecem ter nascido para os papéis...

E é claro que eu acho o seu blog um excelente blog sobre o tema! Me perdoe a falha. Eu realmente pensei no Apimentário, mas na hora de escrever, passou despercebido. Pode parecer desculpa, mas é verdade...

Abração! E eu gosto tanto que, vez ou outra, apareço sempre por aqui. Acha que me daria ao trabalho, se não fosse verdade?!

Pseudoclichê disse...

mais um selinho para ti!

http://pseudocliche.blogspot.com/2009/11/ganhei-mais-selinhos-dessa-vez-do.html

By: Pseudoclichê

Natália Ferreira disse...

ha so entre nos eu sou meio feminista tbm =(

sei que num é bonito mas sou beijao

Paulo [ALT] disse...

Vergonhosamente eu ainda não assisti. Eu sei. É, na verdade... eu "não" sei como, rsrs. Só desse clima todo que você colocou no post achei muito bom. Um tipo que eu gosto.

Adoro os papéis da Susan e gosto
muito dela como atriz também. Faz um bom tempo que estou pra ver mas até agora nada, Cris. Já quase comprei o dvd em uma promoção mas daí deixei passar.

Eu nem comento mais sobre o seu texto pra eu não ficar repetitivo em cada comentário. Mas você escreve extremamente bem. Adorei essa "revolução" que você colocou nas linhas. O cinema precisa disso.

Sobre o final apoteótico... bom, eu não vi, mas são de finais assim que eu gosto. Inesquecíveis.

Abração Cris.

Cine Europeu disse...

Olá! Agradeço a sua visita e comentário! Volte sempre que quiser!

Parabêns pelo blog!!

Natacia Araújo disse...

Ah, eu simplesmente amo esse filme!
Nunca imaginei que escreveria sobre ele por aqui.
maravilha!

Lili Tormin disse...

Clássico!

it was RED - Para quem gosta de cinema disse...

Thelma e Louise é um excelente filme! A cena final é um dos momentos mais marcantes desse clássico. Abraço!

Hugo disse...

Grande filme de um grande diretor que não se prende a uma fórmula ou a um gênero. Poucos podem ter no currículo obras tão boas e tão diferentes como "Blade Runner", "Alien", "Chuva Negra" e Gladiador", além do ótimo drama da sua postagem.

Foi neste longa que Brad Pitt acabou sendo notado e começou a ser chamado para papéis maiores.

A dupla principal está na melhor forma e por sinal é o melhor papel da carreira irregular de Geena Davis. Já Susan Sarandon dispensa comentários.

Abraço

Gustavo Santiago disse...

Cristiano agradeço a visita no meu blog sobre cinema, E pelos tantos comentários válidos. Tua opnião vale. E as portas estão abertas por lá, sempre quiser confira. To começando agora, mas é com muito cuidado que posto lá.

Quanto ao seu blog tá legal isso tudo aqui, muito trabalhado, versátil e interessante.
Quanto ao filme não vi.
Mas confesso que sou machista sim! Haaha... Cresci lendo Nelson Rodrigues não tive culpa, Mas é do machismo feminista - em que a muler deve ser bonita. Toda mulher que eu conheço que banca a de feminista, acaba dando uma de macho - é pra isso que acho que serve o feminismo. E fora também que elas passam uma impressão de que não depilam muito bem...

Mas em vista do mundo de hoje em pleno sec. 21
A mulher conquistou muito seu espaço, e merece sempre mais.
Ainda sinto falta duma presidenta governando o Brasil.

Enfim sou machista.

Luís disse...

Acho que o Marcelo se enganou ao dizer Julia Roberts.... o certo é Geena Davis.

Faz muito tempo que eu não vejo esse filme, mas quando eu o vi, fiquei extasiado. Achei uma obra extremamente significante e positiva, achei-a muito bem construída, com personagens fortes, mulheres que são o oposto dos papéis reservados usualmente às personagens femininas.
Susan Sarandon é uma atriz muito talentosa; sobre Geena Davis, não sei muito o que falar, afinal, vi dois ou três filmes com elas, mas é fato que a união rendeu bons frutos - tanto que ambas foram indicadas ao Oscar!

Preciso revê-lo e obrigatoriamente comentá-lo no Literatura e Cinema!

Júnia L. disse...

O que era para ser bucólico e prazeroso vira EXTRORDINARIAMENTE interessante, instigante levando em consideração o fato de ambas abandonarem suas vidinhas enfadonhas, medíocres e cretinas submissas a um mundo machista.
Há.... e Brad Pitt nessa era o desejo inconsciente/consciente de onze em cada dez mulheres...
Há Brad Pitt na década de 90!!!!

Mandy disse...

Aff ADORO HANS!!!!!!!!!!

WallaceLemos disse...

Sensivelmente equalizado.
Teus comentários sobre o filme revelam a singularidade da tua personalidade observadora e artística.
Adorei o que li aqui.
Pelo filme, incostestavelmente grandiso, e pelo teu texto: fino, saboroso e objetivo.

Grande abraço!

Magda Miranda disse...

Oi Cristiano o usuário "Meg Sanz" que aparece em seguidores sou eu, Magda Miranda. "Filmes que eu vejo" é um blog que escrevo em conjunto com minha amiga Carla sobre as nossas visões particulares sobre os filmes. Muitos dos filmes eu e ela já assistimos e que estamos asssistindo vamos postando. Essa semana ando um pouco sem tempo de atualizar. Também tenho outros blogs, um deles, "Sala Latina de Cinema". Linkarei o "Apimentário", sem dúvida, um excelente blog. Um abraço,

Magda.

EFS*** disse...

Sem sombra de dúvidas, UM DOS MELHORES FILMES QUE EU JÁ VI NA VIDA!

obs. e olha que só esse ano já vi mais de 300 filmes ^^

Willian Lins disse...

Ainda não assisti o filme.
Mas pelo que tu escreveu e pelo seu gosto, deve valer a pena.

Abraço, chato! rs

Michael Doublott disse...

Nhá! Se eu tivesse como assistir adoraria, deve ser otimo

Hans Zimmer faz uma otima trilha sonora..

Digno!

Kim Sousa disse...

Cara, teu blog é bem legal...gostei da matéria sobre Thelma e Luise...

Vlw, brother estou te seguindo...

Elaine Barnes disse...

Eu assisti e realmente a cena final ficou registrada em mim.
Gostaria que vc visitasse uma gde amuiga que está iniciando um blog agora " A força e a Beleza de ser mulher" http://geisamachado.blogspot.com/ Ela participa de análises de filmes e tb trabalha o feminino. Tem um texto sobre o homem como vilão, muito bom, enfim, é apenas um convite e uma força. Se tiver vontade, muito obrigada, gde abraço e um montão de bjs

Cintia Carvalho disse...

Oi Cris!

Boa escolha. Assisti este aqui pela primeira vez no cinema. E olha isso, ja faz um bom tempinho.
Lembro, que Brad Pitt era um mero desconhecido, mas, as meninas no cinema ficaram doidinhas com a cena em que ele agarra a Geena Davis. Inclusive, eu fiquei eufórico, afinal ele é um homem muito bom. E o melhor de tudo é um excelente ator. Tem talento, o que é mais importante. Diferente de alguns que so tem beleza, como é o caso de Tom Cruise, bonito, porém, péssimo ator.

Quanto a Susan Sarandon, realmente uma extraordinária atriz. Gosto muito de seu olhar sincero e franco, marca registrada em seus filmes. Pelo menos para mim, ela passa isso, comprometimento com o filme. Verdade em sua atuação.

Já Geena Davis, fez um relativo sucesso, em poucos filmes, como: "a mosca", "os fantasmas se divertem" e "o turista acidental". No entanto, para mim este é seu meulhor trabalho. Ela e SS formam uma dupla afinadíssima. Estão perfeitas em seus respectivos papeis.

Uma boa escolha.

Um abraço.

→ Cleber Eldridge disse...

Eu sou simplesmente muito curioso quanto a esse filme, mais ainda não tive a chance!

Caroline disse...

Oi Cristiano!
Obrigada pela visita e comentário no meu blog!!
Vi, no seu perfil, que vc cursa jornalismo. Tenho uma irmã que é jornalista. Visite o blog dela: http://chrispinheiro.blogspot.com
Ah, eu adoro "Telma e Louise", as atuações de Geena Davis e Susan Sarandon estão espetaculares!
Abraços!

Guto Angélico disse...

Adoro esse filme! O Brad tava tão novinho!

Fernando disse...

Eu lembro desse filme lésbico sapatão! Na época era chocante ver os velcro se colando na tela... se bem que eram velhas...eu não sei porque ele me faz lembrar também "mulheres a beira de um ataque de nervos" - é um bom filme pra gente analisar a parte vaginal do relacionamento homosexual!... eu fico com a peniana... mi gusta!
Bjos me liga

Larissa Araújo disse...

Muito bom! Adoro esse filme, já perdi a conta de quantas vezes assisti.

beijão

Rodrigo Mendes disse...

Cris,

esta é a aventura feminista por excelência!

Excelente texto e questionamentos.
Só você sabe debater tão bem qualquer assunto. O melhor Blog. O mais discursivo e merecidamente com mais seguidores.

Abs e parabéns!!!!

Danilo Augusto disse...

Um filme sensacional

Alguém disse...

realmente, é um filme que foi feito em 1991 continua atual, assisti esse ano e ainda assim, consegue abordar temas atuais. infelizmente atuais. é um filme indispensavel para coleção de cinefilos.

Edson Cacimiro disse...

Perfeito!!!!!!!!!!!!

JairPereiraSilva disse...

O grande acontecimento do Filme é o seu final.Se elas se entrgassem o filme nao teria sentido.Grande Filme!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Aperitivos deliciosos

CinePipocaCult Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos Le Matinée! Cinéfila por Natureza Tudo [é] Crítica Crítica Mecânica La Dolce Vita Cults e Antigos Cine Repórter Hollywoodiano Cinebulição Um Ano em 365 Filmes Confraria de Cinema Poses e Neuroses