Rebeldia Sexual?

Como se forma a juventude rebelde? James Dean definitivamente retratava o pensamento, costume e personalidade do jovem revolucionário dos anos 50. É um ícone, incondicionalmente. Juventude Transviada é um foco definitivo sobre fissura cultural entre jovens e velhos: destrói as aparências familiares, determina os comportamentos juvenis delinqüentes, rompe com o conservadorismo familiar. Dirigido por Nicholas Ray, que enfatiza aspectos psicológicos e sociológicos da juventude, é um filme cicatrizante. A contextualização de evidenciar a narrativa do filme em um único dia captura a essência do que é ser jovem: nota-se, evidentemente, no personagem de James Dean - um exímio vivant que não se preocupa com o dia seguinte. A rebeldia é também sinônimo da carência juvenil em três focos: Jim Stark (James Dean) foi detido por embriaguez, Judy (Natalie Wood) por ter brigado com o pai, e Plato (Sal Mineo) por ter atirado em cães. Ambos se amparam, são aliados do destino rumo à dissolução da carência afetiva de uma vida imersa no desastre familiar. Jovens são desajustados? São também ansiosos por amparo, por atenção. E a rebeldia pode ser uma consequência da ausência de atenção familiar. O filme desnuda relações conturbadas de pais com filhos, mas serve também de um alerta: todo ser humano necessita de carinho incondicional. São personificações reais de problemas do desajuste familiar? Pais nulos versus filhos abandonados?

A revolta, o desajuste e o delírio transgressor não se justificam - mas pode ser a maneira que o ser justifica a sua própria amargura de não ser compreendido sentimentalmente. O personagem de James Dean desconstrói as falsas aparências com sua vitalidade sexual, seu comportamento questionador e sua virilidade sincera. Mas, há uma fragilidade que embala sua transgressão, e isso fica evidenciado em diversos momentos. E o filme vai mais fundo nas feridas, pois demonstra os maus hábitos da juventude rebelde dos anos 50. O belo trabalho de Nicholas Ray provoca por ser uma ruptura com a formalidade da época, serve como um basta ao puritanismo norte-americano. Sim, é um convite à rebeldia sem causa como forma de verbalizar uma busca pela identidade e pela auto-afirmação. Os personagens jovens do filme subvertem, questionam e são imersos na rebeldia - estes que condicionam a vida na mais pura fidelidade de um para o outro.

James Dean representa o jovem carente, marginalizado e inconseqüente. A juventude ali é passional, emocional e imatura. A rebeldia é necessária para evidenciar a insatisfação generalizada, contextualizada. Mais que uma busca existencial: uma maneira de atrair a atenção da sociedade, chamar atenção ao seio familiar. Há uma relação nítida de homossexualidade e carência intensa de Plato ao Jim, sua admiração beira ao misto da devoção e do desejo juvenil. Plato sentia a necessidade de ter Jim como uma figura paterna, eis a contradição. Jim é o centro da atenção: é desejado por Plato e Judy - seu charme, seu comportamento e atos rústicos geram desejo alheio, seu comportamento e personalidade contagia proporcionando o tesão aos dois amigos. Seria Jim um modelo a ser seguido? Havia nele um desejo de consumir os outros e ser consumado de desejo. Jovens no turbilhão de questionamentos, desejos e delícias sexuais da puberdade.

O filme é, portanto, um aprofundado estudo da juventude transviada, magistralmente interpretado pelos trio central: James Dean, Natalie Wood e Sal Mineo. E s charmosa trilha sonora de Leonard Rosenman acentua o tom saboroso das cenas. Os personagens masculinos têm um sexy-appeal com o look das jaquetas pretas, camisetas brancas e jeans - além de astutos, altivos e instintivamente rebeldes. Fatalmente os três atores principais vieram a falecer de maneira trágica.

32 opinaram | apimente também!:

Diu Mota disse...

Juventude mais transviada só recriando o mundo!
abraço!

Luis Galvão disse...

De fato, um clássico. E Natalie Wood maravilhosa, assim como seus parceiros de cena.

Kamila disse...

Ainda não assisti a este filme, mas ele é um marco pelo que fez à imagem de James Dean. Para sempre, ele será esse rebelde sem causa, esse cara de jaqueta de couro, cigarro no canto da boca e motocicleta. Virou uma imagem emblemática dele.

Thiago Paulo disse...

Preciso assistir ir os filmes do james Dean, o único que conferi foi "Assim Caminha a Humanidade", que achei muito bom - pelo menos a primeira parte dele. Ele era um execelente ator, vou ver alugo esse filme que você comentou.

Abraço.

Luigi Lopes disse...

Oi! ótimas colocações sobre Juventude Transviada que, sem dúvida, é o melhor filme que james Dean fez.

Diego Cesar disse...

Rapaz, nunca vi (ainda não vi) esse clássico. Sempre ouço falar bem. Se cruzar com um DVD, compro. Valeu pelo comment lá no blog! Até mais.

it was RED - Para quem gosta de cinema disse...

Excelente filme! Excelente texto! Abraço!

Júnia L. disse...

Filme que personificou James Dean como o próprio jovem transgressor da ordem e que retrata uma geração que buscou consolo na fuga e na rebeldia ( e este comportamento jovem se repete e repete...)

Marcio Melo disse...

Não assisti este filme de James Dean, mas fico a imaginar como seria um filme hoje falando sobre juventude rebelde atual hehehe

Mirella Santos disse...

Nunca vi esse filme, mas como muitos que você fala por aqui ele parece ser interessante, acho ótimos filmes de adolescentes rebeldes. Abraços!!

Cristiano Contreiras disse...

DIU MOTA: Será?

LUIS GALVÃO: Concordo contigo!

KAMILA: Pois veja, o filme é maravilhoso!

THIAGO PAULO: Esse filme é o marco na breve carreira dele, Thiago. Veja, quero saber sua opinião!

LUIGI LOPES: Obrigado!

DIEGO CESAR: Compre, sim! Vende bem barato o dvd simples dele!

IT WAS RED: Obrigado, caro!

JUNIA L: Assino embaixo suas palavras!

MIRELLA SANTOS: O filme não só contextualiza um momento da juventude dos anos 50, mas tem todo um estilo próprio, boas atuações em uma direção precisa. Veja logo! rs

MARCIO MELO: Não viu? Pois trata de vê-lo logo! Quero ver um post sobre ele no seu blog, viu? rs

Madame Lumière disse...

Ainda não assisti a este filme, mas James Dean é eternamente rebelde, até sua beleza tem esta atratividade da rebeldia.

A rebeldia também advém de uma certa orfandade.

bjs

Fumaça Subindo disse...

O meu filme favorito

Renato Orlandi disse...

Humm, parece um bom filmee, eu ainda não tive a oportunidade de ler algo sobre, valeu, adoro filmes com jovens rebeldes, filmes realistas, vou procurar assistir! Boa semana! Abçç!

Amanda Aouad disse...

Só o fato de um cara marcar nosso imaginário com apenas três filmes, já motivo para celebrar James Dean. E este é seu maior ícone, apesar de ter um carinho maior por Assim caminha a humanidade.
bjs

Jenson J, disse...

Dean é (era) dono de uma beleza incomparavel, e esse trabalho é facil de se reconhecer isso! É um simbolo da era que ainda tesaria por vir, e que chegou!

Felipe Guimarães disse...

Eu adorei esse filme! Com certeza entre os melhores filmes sobre jovens (se não for o melhor que tem!).

Ale Danyluk disse...

Adoro James Dean......
Um ícone atemporal e de quebra lindo.
Hoje ainda seria um BAD BOY do tipo irresistível...
Impossível esquecê-lo.

Cristiano Contreiras disse...

MADAME LUMIÈRE: Ah, Madame, como pode não ter visto ainda?! É um filme que adoraria ver você degustando e refletindo conosco! rs Fico no aguardo!

FUMAÇA SUBINDO: Um dos meus também! Grato pela visita, Fumaça! rs

RENATO ORLANDI: Veja, sim! E depois me fala aqui sua percepção, tá?

AMANDA AOUAD: Eu adoro "Giant", mas prefiro Vidas Amargas e depois o Juventude Transviada! Bjos

JENSON J: Apoiado! rs

FELIPE GUIMARÃES: Pois é, já viu todos do Dean?

ALE DANYLUK: Atemporal mesmo, um ídolo pra muitos - inclusive pra mim! rs Volte sempre aqui, abraços!

Júlio Castellain disse...

...
Parabéns pelo trabalho.
Abraço.
...

Alan Raspante disse...

OMG!
Pô, Cara, valeu!
Bem eu já conhecia o teu blog (quem gosta de cinema, isso daqui é o paraíso ! ) hehehehe..
Ontem mesmo eu estava lendo esse texto e o do "50 anos, sem o James Dean", nunca comento, por pura falta de tempo, mais tentarei comentar mais vezes.
E cara, valeu pelos seus comentários, é muito saber que tem pessoas que gosta do nosso trabalho !
Bem, já to linkando o blog, e seguindo (jurava, que já seguia o blog ! ) até mais...

PS : Até hoje nunca assisti um filme com o Dean, mais vou alugar essa semana Juventude Transviada !

Cristiano Contreiras disse...

JULIO CASTELLAIN: Obrigado!

ALAN RASPANTE: Pois, veja logo os filmes do James Dean. Tenho certeza que vai gostar e até postar no seu ótimo blog! rs
Obrigado pelo retorno!

! Marcelo Cândido ! disse...

Tô seguindo
!!!

Hugo disse...

Grande filme e tendo o hoje pouco lembrado diretor Nicholas Ray que fez bons filmes como "55 Dias em Pequim" e "Rei dos Reis", o clássico da Sexta-Feira Santa.

Quanto ao destino trágico dos atores, Sal Mineo era homossexual e foi assassinado por um garoto de programa. Apesar de Sal Mineo ser bom ator também, no final apenas Dean e Natalie Wood se tornaram astros.

Abraço

Ricardo Soulza disse...

Olá Cris!
Fico grato por ter visitado e estar seguindo meu blog. Ótimos textos encontrei no seu, parabéns!

Agora, estamos mais próximo, aliás um seguindo o outro.

Forte Abraço!

Caju disse...

Opa, cara, brigadão pelo comentário. Parabéns por este espaço também. Adorei o conteúdo.

Passarei mais vezes.

Abção

O Cara da Locadora disse...

Taí um filme que demorei muito para ver e quando vi entendi todo o alarde... Engraçado como a Hollywood de antigamente era contestadora e subversiva (na medida do possível), uma pena que tenha se tornado o que se tornou...

PS: Só eu achei ou o James Dean nem é tão bonito assim?

Rafael Carvalho disse...

Acho o trabalho do Nicolas Ray sensacional nesse filme, toda a construção psicológica dos personagens transparece na técnica minimalista do uso dos enquadramentos e ângulos de câmara. E James Dean é mesmo um grande ator, a despeito de sua posição de galã.

Cristiano Contreiras disse...

MARCELO CÂNDIDO: Ok, volte sempre!

HUGO: Gosto muito de Nicholas Ray! E foi mesmo triste a morte de Sal Mineo! Mas de Dean e Natalie também!

RICARDO SOULZA: Grato, meu caro!

CAJU: Aguardo!

O CARA DA LOCADORA: Eu acho ele bonito, mas é mais pelo charme! rs

RAFAEL CARVALHO: Concordo contigo!

Alan Raspante disse...

EU VI !
Ahh Contreiras, até que enfim eu vi um filme que vc fez uma resenha ! hehehehe
Bem, nem preciso falar de Juventude Transviada, nesse texto você já falou tudo !
xD

Wally disse...

Pode não ser meu preferido do James Dean, mas é a melhor atuação dele. Realmente um marco, e seu texto faz jus à obra milenar.

Anônimo disse...

Achei muito legal a critica... é um filme a ser pensado em muitas faces. a homossexualidade de Plato ja é explicita nas primeiras aparições: dentro do armário dele, na escola, há uma foto de um ídolo masculino. O comportamento de Jim deve ser levado em conta, ele é frágil e trazia consigo traumas de bullying de outros tempos. Isso demonstra que suas características não eram aceitas pela sociedade. O título em inglês é Rebel without a cause -> quem é ou quem são os rebeldes sem causa? Acho que somente os dois personagens masculinos pelo fato de serem discriminados por quase todos. Eles sim são vistos como rebeldes, não pela visão dos pais, mas pela visão da mentalidade da época.

Ótima critica Cris

@marcosmp_

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Aperitivos deliciosos

CinePipocaCult Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos Le Matinée! Cinéfila por Natureza Tudo [é] Crítica Crítica Mecânica La Dolce Vita Cults e Antigos Cine Repórter Hollywoodiano Cinebulição Um Ano em 365 Filmes Confraria de Cinema Poses e Neuroses