Nostalgia Masculina

Há filmes que falam sobre o coração, quando não há nada que os cale: eles falam por si. Qual sentido da amizade? Deliberado, o filme Conta Comigo revela-se inevitavelmente um estudo pleno, singelo e incondicional sobre a amizade. Pois, quatro diferentes amigos descobrem o próprio significado de existência rumo à compreensão humana - diante de uma jornada que trilham em busca de um corpo de um adolescente desaparecido. Os quatro são amplamente divergentes: há o sensível Gordie (Wil Wheaton), o medroso Vern (Jerry O'Connell), o destemido Teddy (Corey Feldman) e o maduro valente Chris (River Phoenix). O roteiro, genuína adaptação sentimental do conto "O Corpo" de Stephen King, revela-se um estudo discreto sobre a autodescoberta, amizade ocasional que perdura, manifestações da pré-adolescência sexual e boa dose de psicologia de transgressões familiares. Os quatro garotos lidam com o desapego familiar, a necessidade de questionarem os próprios problemas. O enredo é narrado pelo ponto de vista do personagem Gordie, já homem, escritor, e personificado por Richard Dreyfuss: eis que sua percepção já madura e um tanto nostálgica condiciona o espectador avaliar, junto com ele, toda sua vivência no verão de 1959. E o roteiro de Raynold Gideon evidencia essa busca sentimental sobre jovens em constante sede de amizade, doce partilha de companheirismo e fidelidade conjunta. Como deve prevalecer a mais pura amizade?

Os diálogos sensíveis, as brincadeiras, as travessuras, em meio ao leve humor e densa dose emocional - conduz um roteiro muito primoroso, de pura ternura e realista. Quem não teve amigos pra toda vida em tão curto espaço de tempo? Quem não recorda momentos da infância ou pré-adolescência? Mais que um condicionamento narrativo sobre amizade: é um exercício quase literário cinematográfico de lealdade - deve ser, portanto, classificado como um melodrama pautado na reflexão de temas como crescimento pessoal, maturidade e perda. Os garotos traçam a própria perda da infância pra maturidade, no decorrer da jornada. Com o fim da inocência: o ganho da vida? O diretor Rob Reiner é perspicaz em conduzir cenas com emoção à flor da pele, preenchendo com fidelidade a aura dos anos 60 - repleta de hits sonoros, roupas, hábitos e costumes - para dar vazão a um sentimento único: o valor da amizade, jamais deve ser dissipado. O que fazer quando uma amizade é abalada? O que define o sustento desse sentimento? O que deve prevalecer?

A música Stand by me, de John Lennon, aqui é performado com êxtase imortal por Ben E. King e dá tom à atmosfera juvenil do filme, deliciosamente transmitido com ternura. Jornada de aprendizado? O que se configura mais tocante no filme: a importância da amizade só é exercida quando essa deixa de existir. De fato, encontrar amizades sinceras é algo bastante improvável. Nem toda amizade é eterna, principalmente as de infância que cicatrizam, mas são difíceis de serem cultivadas até a fase adulta. Há situações, constantemente, que coloca tudo a prova. O risco é pouco? No filme, há uma humanização dos personagens. River Phoenix, morto poucos anos depois do filme, interpretava magistralmente com misto de emoção e sinceridade. Há um Corey Feldman cativante, John Cusack como o irmão falecido de Gordie e até uma participação de Kierfer Sutherland como um bad boy antagonista da trama.

O roteiro expressa as diferenças psicológicas entre os garotos: enquanto Vern e Teddy mantinham papos desconexos, brincadeiras infantis e certa imaturidade - Chris e Gordie tinham sintonia pra papos mais existenciais, reflexivos e demonstravam maior sexualidade pela maturidade mais evidente. Tanto Chris e Gordie servem de catalisadores para a motivação reflexiva sobre abordagens íntimas de melancolia, insatisfação de vida e meditação sobre problemas pessoais. Eis uma lição de vida bem concebida, película poética. "Amigos nas nossas vidas são como garçons em restaurantes. Sempre passam, porém, alguns demoram mais do que outros".

31 opinaram | apimente também!:

Luigi Lopes disse...

Oi Cristiano. Sem dúvida, este foi um dos melhores post que li aqui no Apimentário. Deu saudades de Stand by me...

Abraços!!!

Tânia regina Contreiras disse...

Discordo do "encontrar amizades sinceras é algo bastante improvável"... Não é não, amizades perfeitas é que não existem...se bem que só está perfeito aquilo onde existe a imperfeição (filosofia domingueira...hehehe)

Beijos

! Marcelo Cândido ! disse...

Que volte a ser exibido pela Sessão da Tarde
!!!!!!!!!!!

Weiner disse...

Acho que é um dos exemplares mais arrebatadores sobre a amizade - e os momentos bons e ruins que ela vem imbuída. Quando fomos crianças, pré-adolescentes, tivemos amigos que passaram momentos mágicos ao nosso lado, e criamos tanta confiança nos mesmos que parecíamos presos à eles por toda a eternidade. Mas aí o tempo vem, e nos separamos, muitos nem sequer vemos mais. Mas eles deixam marcas, que nem tempo e distância serão capazes de apagar.
É isso que "Conta Comigo" (um filme que deveria ser lembrado pelo Oscar) defende. E é profundamente feliz enquanto tal. Uma das melhores adapatções de Stephen King de todos os tempos.

Gilson disse...

Cris

Esses filmes sempre buscam um misto de amizades e teses sobre os problemas gerados nas fases da infãncia e adolescência pelos amigos que não te compreendem. Sempre são compostos pelo inseguro, o medroso, o esperto e o valentão.
Não estou dizendo que não concordo e acho até legal se destacar o tema, até porque acredito plenamente em amizades perfeitas e tenho bons amigos e acho que o tema dos conflitos gerados na infãncia e adolescência devem ser tratados nesses filmes até para ajudar futuras crianças a não menosprezarem aqueles que possuem problemas diversos.
Sua critica foi impecável, cada vez mais você se supera em comentar um filme.

Abs

Mateus, O Indolente disse...

Conta Comigo é um clássico da sessão da tarde. Não me lembro quantas vezes já assisti.

Apenas uma correção, Stand By Me é do Ben E. King. John Lennon a regravou, não o inverso.

Cinema para Desocupados

Kamila disse...

Eu gosto muito desse filme. Acho lindo! E marcante em todos os aspectos!

Julio Marin disse...

Olha.... me apaixonei sem ter visto.. Vou tentar ver hoje mesmo..

Obrigado pela super dica... e por ter a oportunidade de ter lido este belo texto...
Abrass

Cristiano Contreiras disse...

LUIGI LOPES: Obrigado, viu? É um filme que sempre "temos saudade", ele é pura nostalgia!

TÂNIA REGINA CONTREIRAS: Eu sei, é que de alguma forma, às vezes, fico desacreditado de verdadeiras amizades, rs.

MARCELO CÂNDIDO: E já foi muito exibido por lá! rs

WEINER: Com certeza, assino embaixo!

GILSON: Muito bom seu comentário!

MATEUS, O INDOLENTE: É verdade, rs!

KAMILA: Eu também!

JULIO MARIN: Pois, se puder, veja logo o filme, acho que pode se sensibilizar! Obrigado pelo comentário!

Amanda Aouad disse...

"Nem toda amizade é eterna, principalmente as de infância que cicatrizam, mas são difíceis de serem cultivadas até a fase adulta." É uma grande verdade, mas como mostra, elas são eternas exatamente por essas marcas que deixam, sempre vamos lembrar delas e reviver suas emoções em nossas mentes. (Só filosofando igual a Tânia aí em cima).

Tudo que tem temática de amizade me pega pelo pé. Ótima lembrança, ótimo post.

bjs

Junker disse...

Ah, tem a parte do sanguessuga na calça... isso me dava agonia. Mas eu gosto desse filme. Espero nao estar confundindo os filmes.

Por que você faz poema? disse...

Trabalho que marcou muito minha infância, ainda hoje revejo minha cópia com menos nostalgia, mas com com a certeza de que não se fazem mais filmes infanto juvenis como em outrora. Infelizmente.

Serginho Tavares disse...

uma excelente adaptação de stephen king
e o jerry o'connel ficou um gato anos depois

J.R disse...

Esse é F...

Marcou.

Abs!

EFS*** disse...

UM clássico do Trash Sessão da Tarde... kkkkkkkkkkkkkk

Já vi 589 vezes! =P

Silvana Nunes .'. disse...

lendo os comentários, concordo com a Tania quando ela diz que encontrar amizades sinceras é algo bastante improvável.
Desculpe a minha pouca frequencia no seu espaço, mas estou sem computador e sem internet, dependendo das tais odiosas lanhouses.
Hoje pude chegar até você.
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... deseja uma boa semana para você.
Obrigada por sua presença no MEU CADERNO DE POESIAS. Esta semana eu abri um outro espaço a pedido de meus filhos, é o CADERNO DE RECEITAS, se puder ir até lá dar uma olhadinha.
O link é http://www.blodasreceitas.blogspot.com
Beijo grande
Saudações Educacionais !

Robson Saldanha disse...

Esse filme tem gosto de infância pra mim. De descobertas, de enfrentar os medos. É sublime. Quero muito, mas muito mesmo, revê-lo. Inclusive devo comprá-lo!

Cristiano Contreiras disse...

AMANDA AOUAD: É um filme que prevalece inúmeras discussões, mas a amizade há de prevalecer, eu confesso que ando mais acreditado na amizade verdadeira, rs

JUNKER: É esse filme, sim! Também me dava desespero a parte do sanguessuga, rs

POR QUE VOCÊ FAZ POEMA?: Marcou a mim e muito também! Revejo sempre e é puramente nostálgico!

J.R: Marcou mesmo!

EFS: Clássico, mas não acho trash! rs

SILVANA NUNES: Obrigado por voltar aqui!

ROBSON SALDANHA: Concordo contigo!

Vladir Duarte disse...

Filme muito bom... assisti quando ainda era moleque, mais ou menos da idade dos protagonistas. Realmente, uma grande história!

@philipsouza disse...

Não tinha visto o filme, mas pelo seu post, deu vontade de ver...Alias muita coisa cinematografica que tem la seus conceitos...Parabens mesmo pela critica Cris, sempre se supera a cada postagem, mostrando mesmo uma realidade envolvendo a teledramartugia, nos enredos dos filmes relacionando com o real...

abraçao

Mirella Santos disse...

Fa muito tempo que não vejo esse filme, mas eu lembro de algumas coisa inclusive Kiefer no elenco.

Sorte daqueles que encontram na infância grandes amizades não é?! Bjos Blogmurus

Mirella Santos disse...

Fa muito tempo que não vejo esse filme, mas eu lembro de algumas coisa inclusive Kiefer no elenco.Nossa foi realmente interessante saber que é baseado em um conto de King, isso demosntra que ele tem um pouco de coração, mas adoro as histórias de terror dele também.

Sorte daqueles que encontram na infância grandes amizades não é Cris?! Bjos Blogmurus

Hugo disse...

É um filme que marcou os anos oitenta e mostrou que Stephen King era mais que um escritor apenas de histórias de horror.

O elenco mirim está perfeito.

Abraço

Juninho Santos disse...

Stand by me é um filme que meche com os valores,gosto muito do filme...

muito bom seu post cristiano, e como um colega disse:"que volte a ser exibido pela sessão da tarde."

C@urosa disse...

Olá meu caro Cristiano Contreiras, venho agradecer a sua gentil visita em meu pequeno espaço de reflexão. Aqui tem cinema de qualidade, comentado e debatido com competência, um belo e elogioso trabalho.Voltarei por aqui.

PS: estarei linkando seu blog aos meus blogs amigos,

paz, harmonia e mais inspiração,

forte abraço

C@urosa

Cristiano Contreiras disse...

VLADIR DUARTE: Grande história mesmo, filme eterno!

PHILIPSOUZA: Veja logo, rs! É um filme inesquecível! E obrigado pelo elogio!

MIRELLA SANTOS: Ah, veja de novo, um filme lindo e emocional! E Stephen King já escreveu coisas fantásticas como "À espera de um milagre", lembra? ele também nos emociona! rs Mas, gosto do terror dele, rs Beijo, Blogmurus!

HUGO: Com certeza!

JUNINHO SANTOS: É um filme de valores mesmo! Obrigado!

CAUROSA: Obrigado! abs! volte sempre!

bruno knott disse...

Esse é o tal do clássico pra todo mundo que já foi criança um dia!

Ótimo filme e texto!!

Cristiano Contreiras disse...

BRUNO KNOTT: Definitivamente, um clássico inesquecível!

Pedro Pimenta disse...

Identifico-me imenso com este texto. Ainda por cima sendo este um dos filmes que mais marcou a minha infância e que mais necessidade tenho de rever. Adoro filmes que puxem à "nostalgia". Obg pelos comentários no Cinecenas e muitos parabéns pelo teu blog! ;)

**Reborn** disse...

"Amigos nas nossas vidas são como garçons em restaurantes. Sempre passam, porém, alguns demoram mais do que outros". Pronto não precisa de dizer mais nada, este é com certeza o resumo deste filme.
Sou suspeito de comentar sobre est filme pois este filme disperta memórias emocionais muito fortes de uma época que como eles acreditava que a amizade seria eterna. Como sempre um post maravilhos que descreve com muita sensibilidade o que significa este filme.

Parabéns!

Um abço!

Anônimo disse...

Ótimos comentarios sobre um ótimo filme. Parabéns!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Aperitivos deliciosos

CinePipocaCult Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos Le Matinée! Cinéfila por Natureza Tudo [é] Crítica Crítica Mecânica La Dolce Vita Cults e Antigos Cine Repórter Hollywoodiano Cinebulição Um Ano em 365 Filmes Confraria de Cinema Poses e Neuroses