Triângulo Luxurioso

Como ser impulsionado pelo prazer libertário-libertino? O eixo e o alicerce, respectivamente, é o sexo e o cinema - nos ápices da paixão juvenil e na tendência erótica do culto a arte. Os Sonhadores exerce essa contextualização: três jovens representam a obscenidade reflexiva, o idealismo do tesão sem limites, a intimidade palpável das descobertas. A articulação narrativa do filme é justamente no âmago do universo real e imaginário sensual de Matthew, Isabelle e Theo. Os três cultuam o desejo pela sétima arte e pela degustação íntima do sexo compartilhado - dividindo depravação febril por filmes antigos e trocas enérgicas de libidos criativas. Tudo da mesma estirpe, funcionam como um só na amizade sem pudores. O ritmo intelectual, cotidiano e sexual é dosado pela femme fatale Isabelle: ora ela devora o irmão Theo, ora desmede investidas sedutoras para Matthew. O que motiva um ménage à trois? Bernardo Bertolucci executa a sua poesia ao conduzir os jovens entre quatro paredes: é um lirismo cinematográfico a sua luxúria personificada no trio. Há uma absurda química sexual, coerência e forte entrosamento excitante entre o triângulo voluptuoso: são cinéfilos, amantes e cativantes. Amizade gera sexo? O roteiro tem a virtude de humanizar com efervescência os diálogos e saborear de cenas repletas de sexodrama romanceado. A relação, integração e a promoção da unificação de Matthew no universo de Theo e Isabelle é fruto da liberdade sensualizada, não se restringe só aos atos da intelectualidade e estudo em conjunto.

O enredo orgástico conceitua um olhar elegante sobre o desejo incondicional. Os irmãos Isabelle e Theo gostam de manter conversas por meio de citações de frases de filmes clássicos - é o artifício de Bertolucci usar a brincadeira como recurso para inserir trechos dos filmes que ama - de Chaplin a Keaton, de Samuel Fuller a Jean-Luc Godard. É interessante observar o relacionamento não convencional do trio, impossível não admirá-los. E é polêmica a relação de incesto entre Isabelle e Theo - ambos vivem imersos numa conexão sexual que impera a sede de convivência, admiração mútua e certa dependência. O amor dos dois se condiciona na química sentimental e ambos têm prazer em conceber seus jogos sexuais a Mattew. Os pais não interferem nos atos e eles vivem tudo com naturalidade. A estrutura familiar seria permissível à euforia erótica? Há densidade e polêmica na maneira como a relação de sentimentalidade e teor sexual se conceituam a química de os irmãos - ambos mantém uma intimidade capaz de envolver, provocar e exercer sedução em qualquer um alheio a essa teia de tesão exalada pelos dois. E Isabelle tem ciúmes, intimidade incondicional e sintonia química sentimental por Theo - e vice-versa. Ambos se consomem em joguinhos íntimos, sentimentos possessivos mútuos e dependência em demasiado.

O filme é uma visão ardilosa, sexy e inteligente sobre relacionamentos modernos. Existe limites para a própria sexualidade? As cenas de sexo são charmosas, explícitas e dotadas de sensualidade que beira ao existencialismo da sexualidade coletiva dos três. A impecável construção narrativa, perspectiva psicológica, concebe um universo quase lúdico - a atmosfera da perversão sexual é convicente, aceitável e os personagens conseguem ser deliciosamente admirados. A relação de interesse de Matthew em Theo fica evidente em uma cena, mas não consumam algo mais aprofundado, talvez, pela interferência de Isabelle - ainda que ambos demonstrem um certo interesse e o teor da sexualidade, latente e inusitada, entre os dois homens sejam sugestionadas. Será que ambos poderiam se envolver? Ou Isabelle seria egocêntrica a ponto de não querer ver seus dois machos envoltos em transas másculas secretas? Dentro do apartamento, os três viviam imersos em sonhos conjugados de desejos mesclados - cada um explodindo comunicação, indagações e reflexões com a provocação da libido. E tudo era possível a três. Obviamente, a sexualidade era embutida na percepção individual de cada um deles - mas, as motivações e paixões pela Arte e cultura cultuavam a densidade da teia do relacionamento íntimo. Ideologias sexuais, divagações sobre existência. Eva Green é a concepção inspiradora da feminilidade: Isabelle é avassaladora e frágil ao mesmo tempo. Michael Pitt é o típico indagador, indivíduo juvenil em plenas descobertas de sensações e experiências, seu Matthew é de corpo e alma. Mas é Louis Garrel que torna o filme puro fetiche, um charme interpretativo, sensualidade evocativa aos prazeres da carne. Eis uma obra que é pura colisão de sentimentalidade, um estudo sobre compulsões sexuais individuais - o sexo e o cinema, um único ponto-chave.

A homossexualidade e o incesto providenciam o alarme polêmico, mas é a segurança do argumento do filme. Existem inúmeras perguntas que podem ser questionadas, ao longo do filme. Será que Matthew teria algum desejo por Theo? O que seria necessário para a relação a três ter maiores progressos sexuais? A intensidade da teia da comunhão do trio só seria relacionada às motivações da libido e intelecto? O roteiro ousa, mas permite que muitos contextos fiquem subentendidos. É um trabalho provocador proposto por Bertolucci, reflexivo. A trilha sonora auxilia, puro embalo, concebe o clima da sensualidade com canções do período da primavera de 1968: Janis Joplin, Jimi Hendrix, Françoise Hardy, Edith Piaf e The Doors concretizam o momento nostálgico. Do coração à mente, é uma película de fazer tremer: um poema visual encenado, uma pequena obra-prima revolucionária. Os Sonhadores permeia entre o rock e o silêncio dos quartos, o sexo e política, do indivíduo à sociedade, da inocência juvenil à fase adulta. Inegavelmente prazeroso, ideológico efeito romântico sexualizado.

The Dreamers (França/Itália/Reino Unido, 2003)
Direção de Bernardo Bertolucci
Roteiro de Gilbert Adair
Com Michael Pitt, Eva Green, Louis Garrel

53 opinaram | apimente também!:

Athila Goyaz disse...

Amigo, da maneira que vc escreve dá vontade de pegar logo filme pra assistir...um verdadeiro orgasmo de letras aí...
vou repetir o q disse..

tenho invejo de como você usa as palavras.

bjitos

Paulo [ALT] disse...

Cris, sabe que descobri que postar sobre esse filme não é só o desafio? O desafio é comentar sobre ele também depois de tudo o que você disse. Bom, vc sabe que tenho esse como um dos meus preferidos mesmo, tá entre os 5 que eu sempre vou me lembrar pq me marcou bastante... mesmo não sendo especialista em cinema nem nada.

O filme não é pra todos, isso eu tenho certeza. Você não precisa ter opinião sobre incesto, sobre homossexualidade ou até mesmo sobre os limites do sexo pra saber que ele não é para todos. Basta ler no verso do dvd, junto a sinopse, "Provoca Arrepios de Frisson Erótico". Sensacionalista ou não vc soube definir bem mais o tema do que o "The Evening Standard" em sua citação. Gostei desse lado romântico que você colocou. Existe sexo sim, e bastante, é o ponto chave do filme, mas é essa mistura e essa química que fazem dele o que é.

Se amizade leva ao sexo... humm... aqui tá lotado de perguntas que gera uma discussão boa. ...talvez leve, ou evidente que possa levar. O que motiva esse envolvimento a três? A Isabelle mostra bem esses limites pra sexualidade, ou pelo menos foi o que achei. Lembra daquela cena em mudo? Com imagens em slow motion, mudo e mistério? achei sensacional.

Achei bom que focou a trilha sonora. Eu tenho algumas das músicas aqui. Gosto bastante. Enfim, isso aqui tá perfeito, tomei um susto qndo abri e vi a foto do poster q eu acho q vc criou... e o Louis Garrel ali, tá faltando só vc fazer um post sobre o livro que inspirou o filme, ou q contam que o inspirou. Lá diz bastante da relação entre o Matthew e o Theo que foi cortado do filme. Acho que já te falei né?

Isso aqui tá gigante. Virou um texto já. Nem cheguei a discutir, comentei só. Ainda quero discutir, hehe.
Abraçooooooo amigo!

Paulo [ALT] disse...

ps. a citação do "The Evening Standard" que alguns podem tomar como sensacionalista. não vc. achei q ficou estranho o q eu digitei =S dá duplo sentido rs

Mero disse...

ainda nao o vi mas fiquei com agua na boca bjs cris

Rodrigo Mendes disse...

Cris,

se este filme nao tivesse o lirismno cinematográfico seria descartável.

Um filme isntigante e provocante com muitos frissons eróticos da maneira Bertolucci.

Texto apimentado, abs!

Pedro Pereira disse...

Viva!
Primeiro contacto aqui com o Apimentário! Vou ficar por perto...

Sobre o Sonhadores, que dizer?! Excelente! Creio que será mesmo o meu filme favorito do Bertolucci.

Juninho disse...

Só não concordo que Isabelle devorava o irmão, ou vice versa. Até porque ela era virgem, como se nota no final.
Acho que os dois irmãos, antes de tudo, mantinham um relação cúmplice e infantil...
Que lindo texto.
Abração!

it was RED - Para quem gosta de cinema disse...

A melhor cena de sexo do cinema está nesse filme.

Abraço!

Ana Lúcia Porto disse...

Oi Cristiano,

Obrigada pela visita. Fico feliz por ter gostado e, sendo assim, seja bem vindo.

E que espaço cultural este seu, heim...!! Diversificado e completo. Parabéns!!

Beijos e Feliz Ano Novo,
Ana Lúcia.

João Bastos disse...

Quando vi o titulo que deste ao post, so me lembrei que podiam estar a falar deste filme... Ja o vi há algum tempo pelo que não posso fazer um grande comentário a não ser que gostei!

abraço

Roberto F. A. Simões disse...

Parabéns, Cristiano, pela crítica. Está fenomenal. Uma das melhores críticas que li nos últimos tempos, sem dúvida. Você escrever muito bem.

Tão ousado quanto irresistível, Os Sonhadores é um filme fascinante. Eva Green está magnífica à frente desta rara e estimulante, ao mesmo tempo perversa, ingressão pela sétima arte. Grande filme.

5/5

Cumps.
Roberto Simões
CINEROAD - A Estrada do Cinema

@philipsouza disse...

Vc tmb coloca ate o pq disso hein???
explica o filme coo é para o eitor nao surpreender.....
muito bom mesmo....

abraçao

Dani disse...

Olá meu querido....Vim lhe agradecer por querer fazer parte da minha familia Life is e estou fazendo parte da sua apimentada familia.....
Quanto ao filme, com certeza esse clássico deve ser muito bom mesmo....Vou ver se eu consigo pegar para assisti-lo....
Beijos iluminados no seu coração!!!um beijo carinhoso!!!!!

Serginho Tavares disse...

achei esse filme uma saco do começo ao fim

disse...

Faz teeempo que quero ver esse filme, já li taaanto sobre... :s
Só não consegui tempo ainda. x__x

Gostei do blog x)

Marlon Vila Nova disse...

AMO esse filme!

# Louis disse...

Quero que seja esse. um dos primeiros filmes que eu verei em 2010!

Gosto de acreditar no prazer absoluto! É como se ele me enche-se e transbordasse pelo meu corpo -hehehe

Kaio Rafael, disse...

WOW!

Essa crítica é sua?!

Que foda!

Hugo disse...

Bertolucci é um grande diretor, fez ótimos filmes como "1900", mas este eu ainda não assisti.

Abraço

JULIANO TODESCO disse...

Fala rapaz, como vai? adoro toda essa polêmica. Passa lá no meu blog e feliz 2010. Que este ano O Apimentário possa estar cada vez mais apimentado.

Caio Abreu disse...

Eu ADORO esse filme!

Simplesmente demais! Os 3 atores se encaixaram perfeitamente no papel!

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Bravo!
Este filme é maravilhoso e a sua apreciação é maravilhosa*
+ 100 + palavras**********
Obrigada.
Beijos,
Renata

André disse...

ah isso me lembra coisas que eu penso as vezes... heheh lendo seus textos a gente ja tem orgasmos sem mesmo assistir o filme. ;)

Cintia Carvalho disse...

Oi Cris!

Meu amigo, muito bom seu texto! Não so este como o anterior.
Mas, deixa eu falar primeiro de "O silêncio dos inocentes".

Cris, eu adoro demais este filme. Muito bem dirigido. A história é fantástica e Jodie F e Antony H estão tão bem em seus papeis que eu não saberia dizer para vc quem foi o melhor. Ambos mereceram o oscar. De todos os filmes que ja vi sobre psicopatas e afins, este sem dúvida é único, pois H conseguiu dar um ar tão verdadeiro que a cada cena fico impressionada com a capacidade deste ator. Um personagem extremamente inteligente e mau, sem pena nem dó de suas vítimas. Dá medo até parece que ele é assim. E JF está perfeita. E os diálogos entre ambos muito bem escritos.

Enfim, um puta filme.

Quanto a "os sonhadores" vc conseguiu expressar de forma belíssima toda a atmosfera que o envolve. Olha não é um filme para qualquer um assistir. Bernardo Bertullici é um bom diretor. No entanto, a pessoa tem que ter um pouco de paciência para ver seus filmes, pois o ritmo é bem calmo. Nem todos gostam. Tenho amigos que viram o filme e o detestaram. Não conseguiram compreender a hístória.
Enfim, nada a acrescentar em seu texto.

E o erotismo está no tom certo. Leve, gostoso e excitante. Pelo menos eu me envolvi neste "delicioso" triângulo amoroso, repleto de diálogos muito bem elaborados.

Um beijinho carinhoso.

Renato Hemesath disse...

é praticamente impossível ler uma resenha com este teor e sentir-se indiferente quanto a obra em questão.

Muito bom, preciso vê-lo. gostei dos detalhes que você citou.

Um abraço
(:

Guto Angélico disse...

Eu sou louco pra ver esse filme e nunca consigo! E pelos seus comentários, fiquei ainda mais atraido para ver.

Abração

Sandro Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Arthur Alter L. disse...

Olá Cristiano,
Mais uma bela obra sua. Se o Paulo ALT, que é expert em filmes diz que é difícil comentar... pobre de mim. Apenas concordo com ele.
Mas o fato de vc ter abordado pontos fundamentais me instigaram o suficiente. A complexidade, ou de outro lado trabalhar questões polêmicas com seriedade e verdade (incesto, homossexualidade, amor a três ou relações atípicas) tudo isso me chama a atenção no sentido de que se torna cada vez mais necessário compreender isso no cotiano. E nada melhor que filmes bem trabalhados como sugere sua crítica. Certamente será um dos primeiros em minha lista em 2010.
Abraço

Rodrigo Nogueira disse...

Ainda não vi mas já estou com água na boca!
Se amizade gera sexo? Sem querer bancar o Freud, te devolvo com outra pergunta: E o q não gera?
Há quem diga q tudo o q fazemos é com objetivo do sexo, mesmo q de forma inconsciente.
Abç!

O Cara da Locadora disse...

Ninguém fala sobre sexo polêmico de uma forma tão sutil quanto o Bertolucci, esse filme é como poesia para os olhos e deve ser visto com toda a sensibilidade que ele transmite...

Marcos Campos disse...

Cristiano, cada vez que passo por aqui dá vontade de sair e procurar o filme pra ver...muito bom!
Meu msn está no orkut, não o uso muito, mas talvez conversemos um pouco...
Abraço!

Lina Lasserre disse...

Arrasou no comentário...E pra mim, particularmente, se "redimiu" da visão mais "fechada" de _Do Começo ao Fim (não esqueci...rsrs)!!! Adorei.
Não vi o filme, mas deu vontade na hora!Vou procurar messsmo.
Bjs

Silvana Nunes .'. disse...

Salve o NOVO ANO !
Que ele seja de PAZ e de muita Saúde. E que estejamos juntos por mais um ano.
assim Seja !
Olá, como vai ? Estou aqui para divulgar um pouco da minha cultura e, para isso, FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... começa o ano contando um pouco sobre esse espetáculo maravilhoso que é a FLOLIA DE REIS ou REISADO, comemorado no dia 6 de janeiro. Aqui eu também coloco as famosas simpatias das Romã, muito utilizada no dia 6 de janeiro para atrair dinheiro. Para quem curte uma simpatia, vale a pena fazer.Venha conferir.
E para quem não conhece o meu espaço, convido a dar uma chegadinha até lá para conhecer o meu cantinho de histórias, o link está logo abaixo.
Que os bons ventos soprem a seu favor neste ano de 2010.
Saudações Florestais !
http://www.silnunesprof.blogspot.com

Madame Lumière disse...

Sonhadores é um dos ménage a trois mais irresistíveis e de bom gosto do cinema. E tenho que confessar-te que sua review combinou muito bem com o filme, está sedutoramente provocativa a ponto de eu querer ver este filme de novo.

Abraço,
Madame Lumière

Patrícia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jéssica V. Amâncio disse...

Assiti e recomendo, o filme não se trata apenas de sexo, também aborda a intensidade dos sentimentos, misturando-a aos desejos de luxúria.

Júnia L. disse...

Existe uma gente que conquistou a sua liberdade e tem coragem para mostrar-se, olha o Bertolucci deixando isso evidente ai.
Um filme impactante, porém poético, reflexivo, vale a pena assistir.

Wallace Andrioli Guedes disse...

Filmaço, que eu vi já há um tempão... mas nunca esqueci.
Por acaso vc já viu Amantes Constantes, também sobre 68, e também com o Garrel? Dizem ser melhor que Os Sonhadores. Está na minha lista...
Abraço!

Pedro Gabriel disse...

Olá,
Primeiro quero te agradecer pela visita e pelo comentário. E, segundo, quero me desculpar pela demora para responder. Na verdade, é que eu não tenho mais postado tanto naquele blog (Conversas Com Versos). Estou me dedicando mais aos meus dois outros blogs www.amorragia.blogspot.com e www.movimentoinercia.blogspot.com . Vou explorar teu blog agora e postar com mais calma!

grande abraço,
volte sempre!

Todos os nomes (menos um) disse...

Isto é o que eu chamo de filme "estranho", e que gostei mesmo muito porque todas as cenas nao sao "estranhas" gratuitamente.
O sexo faz parte do filme, obviamente lool, mas ha outras coisas... como quando eles estao todos na casa de banho a tratar da sua higiene, lavar os dentes, tomar banho..., da lhes uma complicidade e quimica um pouco diferente que o sexo por si so nao daria, apesar de todo o romantismo em volta que tu referiste e é verdade.

Cenas preferidas sao, sem duvida, a corrida que eles fazem no louvre, e os jogos sobre que filme se trata, "What Film?" ( que eu tambem costumo fazer ahahahlool, mas com menos intensidade, prometo....), entre outras...

Louis Garrel e Eva Green sao do melhor!!!

Basicamente um filme mais que merecedor de estar aqui no teu blog pra ser comentado, e ja tenho saudades de ver um filme assim tao bom.

Abraço

intratecal disse...

cara, excelente post!

esse filme é um delírio sexual, musical e nostálgico... com tantas homenagens ao cinema clássico e tudo o mais.

blog fantástico, cada vez melhor!

abração.

Anônimo disse...

Cara...eu já assisti esse filme, com certesa essa linda historia nos faz delirar. não consegui despregar o olho da tv...
especialmente espetacular!

Rafael disse...

É lindo

Rodrigo Gerace disse...

Embora esteticamente belo e bem dirigido, "Os Sonhadores" é tão careta em sua ideologia e moral sexual. Não há de fato um menage à trois, os três não entram em comunhão, optam pelo sexo convencional, heterossexual, monogâmico. Não há transgressão, apegam-se às regras, vivem num filme, alienam-se dos personagens, não encaram a realidade que explode em revolução nas ruas. A moça carrega tanta culpa que pretende matar com gás os colegas, após uma inocente noite de prazeres.
de fato, Garrel conduz o filme, ele é cinema em movimento, seu rosto desfila nouvelle vague e contemporaneidade à cena.
Diante do auê em cima de Bertolucci e dos anos 60, o filme poderia ter sido mais subversivo. Mas, diante do cinema morno de Bertolucci, ele está acima da média.....

Johnatan disse...

Amo vários filmes de Bertolucci e em Os Sonhadores,ele mostra de forma primorosa a provocação em plena revolução. Tanto sexual quanto cinematográfica.Contando com uma fotografia belissima, belamente dirigido e com ótimos atores.Pura poesia!

Juliana Góis disse...

Elenco formidável, compensa até a monotonia do filme.

Alan Raspante disse...

Nossa Cris, to até agora pasmo com esse filme, é simplesmente maravilhoso, e achei incrível as cenas de sexo, pois são tão bem feitas, que a gente não fica assim incomodado sabe, num sei explicar, só sei que o filme é ótimo, uma verdadeira obra prima !
xD

Daniel Senos disse...

Depois dessa crítica admito que pegarei este ''Os Sonhadores'' de novo para ver. Lembro de não ter gostado, mas verei o filme de cabeça aberta. Parabéns pelo texto!

Isabel Cristina disse...

Assisti numa noite insone e adorei o filme. Indico também 3 formas de amar, que além de livro já foi peça, não é tão fino e bem delineado, mas é pra quem entende e vê o amor e a sexualidade com outros olhos...
Adorei a crítica, como adoro tudo aqui no apimentário.

Adriano Padilha disse...

Esse filme foi muito significativo pra mim (questões pessoais).

Excelente texto o seu (como sempre). :D

Abraço!

Joel Martins Cavalcante disse...

Quando assisti esse filme na faculdade discutíamos os movimentos de 68. Como eu gostaria de ter vivido naquela época. Por incrível que pareça, sempre que vejo um filme ou escuto uma música que reporta aqueles tempos tenho a sensação de ter experimentado e vivenciado também.
O filme é maravilhoso. Como você mesmo diz "É interessante observar o relacionamento não convencional do trio, impossível não admirá-los." Ainda que eu tenha reservas em relação ao incesto, não pude deixar de sentir inveja dos personagens!

Emmanuela disse...

Eu acabei de ver esse filme, é puro fascínio. Ainda estou sem palavras, é marcante em todos os sentidos. Cinema e sexo em uma fusão impecável, totalmente livre de falhas. Na minha opinião, um de seus melhores textos.

Andinhu S. de Souza disse...

Apareci. =D
Excelente crítica rapaz. Sério!
"a atmosfera da perversão sexual é convicente, aceitável e os personagens conseguem ser deliciosamente admirados." Disse tudo. Não acho o filme uma mil maravilhas, mas sem dúvidas é uma poesia visual e sexual. Poético e de um charme inegável.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Aperitivos deliciosos

CinePipocaCult Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos Le Matinée! Cinéfila por Natureza Tudo [é] Crítica Crítica Mecânica La Dolce Vita Cults e Antigos Cine Repórter Hollywoodiano Cinebulição Um Ano em 365 Filmes Confraria de Cinema Poses e Neuroses